Anãs negras: O fim (teórico) da evolução estelar

Anãs negras: O fim (teórico) da evolução estelar
O último estágio da evolução estelar é uma anã negra. Uma vez que não emitem calor ou luz, esses objetos constituíam um desafio para serem detectados se eles realmente existissem atualmente. 

No entanto, com menos de 14 mil milhões de anos, o universo ainda é demasiado jovem para ter criado quaisquer anãs negras!

A estrela que não tenha massa necessária para explodir em supernova tornar-se-á uma anã branca, uma estrela "morta" que queimou todo o seu hidrogénio e hélio. Mas a anã branca permanece quente durante algum tempo.

Depois de passar tempo suficiente, todo o calor residual será irradiado para fora da estrela. Já sem emitir calor ou luz, a anã branca vai-se tornar uma anã negra, tornando-se difícil de encontrar. No entanto, ainda manteria a sua massa, permitindo aos cientistas detectar os efeitos produzidos pelo seu campo gravitacional.

Mas não há ainda necessidade de começar a procurar por anãs negras. Neste momento, são estritamente teóricas. Os cientistas calcularam que uma anã branca leva dezenas de centenas de milhões de anos para arrefecer e tornar-se uma anã negra. 

Mesmo que uma anã branca se formasse no momento do Big Bang - uma impossibilidade, uma vez que uma estrela tem de passar por várias etapas evolutivas que levam pelo menos mil milhões de anos - ainda seria uma anã branca hoje, não tendo ainda suficientemente resfriado.

Anãs marrons, objetos pequenos demais para ter atingido o ponto de fusão, já foram chamadas erroneamente de anãs negras. Uma anã negra não deve ser confundida com um buraco negro ou uma estrela de neutrões, objetos que existem atualmente e podem ser observados. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário