12 dos mais impressionantes fósseis vivos conhecidos

12 dos mais impressionantes fósseis vivos conhecidos
Cunhado por Charles Darwin, o termo fósseis vivos é usado para descrever as criaturas que têm resistido ao teste do tempo de vida.

São organismos resistentes e resilientes que se mantiveram praticamente inalterados durante milhões de anos. 

Aqui estão alguns dos mais incríveis exemplos de impressionantes fósseis vivos conhecidos atualmente pela ciência. Há literalmente dezenas de fósseis vivos, mas estes são alguns dos mais fascinantes.

Para ser claro, fóssil vivo não é um termo científico por si só, e não há consenso sobre a definição formal. Mas, para fins de artigo, vamos definir um fóssil vivo como uma espécie antiga que não foi extinta, não produziu novas espécies e manteve-se relativamente inalterada ao longo dos milénios.

Isso não quer dizer necessariamente que estes animais pararam de evoluir. Todos os organismos têm-se continuamente adaptado às mudanças de ambientes, temperaturas, composição da atmosfera e outras condições. 

Mas para a maior parte das espécies aqui descritas, a sua instalação em nichos ambientais em que as formas morfológicas e os modos de comportamento não exigiram muitos ajustes promoveu que tenham atingido uma excelente adaptação aos seus ambientes.

1. Cianobactérias

Cianobactérias


Apesar de não serem muitas vezes consideradas um fóssil vivo, as cianobactérias praticamente sempre existiram, e continuarão a existir. Na verdade , como muitas outras cepas de bactérias, eles são um dos grupos mais bem sucedidos de organismos neste planeta, e incluem algumas das primeiras formas de vida a evoluir na Terra. 

2. Ctenóforos

Ctenóforos


Se os tumores cancerosos não são os nossos bisavós, os ctenóforos com certeza são. Tendo surgido há 700 milhões anos eles parecem-se com bolhas de geléia listradas que esvoaçam pelo mar impulsionados por fileiras de cílios. Os biólogos dizem que estes são os mais antigos animais conhecidos.

3. Celacantos

Celacantos


Pensava-se que os celacantos foram extintos na mesma época que os dinossauros, há cerca de 65 milhões de anos, mas a sua re-descoberta em 1938 ao largo da costa da África do Sul mudou a história. Com aproximadamente 80 milhões de anos, os celacantos têm algumas características únicas que não são vistas em nenhum outro vertebrado vivo, incluindo um órgão rostral no focinho que faz parte do seu sistema de electrosensorial e uma junta intracraniana que permite que a porção anterior do crânio balance, ampliando consideravelmente o tamanho da boca.

4. Tubarões elefante

Tubarões elefante


Localizados nas águas da Austrália e da Nova Zelândia, os tubarões-elefante, ou Callorhinchus milii, são membros de um ramo de peixes cartilaginosos conhecidos como quimeras. Eles são parentes distantes dos tubarões e raias, por isso, tecnicamente eles não são tubarões. Recentemente, os cientistas mapearam o genoma desta criatura, revelando que o seu DNA pouco mudou em 420 milhões anos.

5. Crocodilos

Crocodilos


Eles são, basicamente, os predadores assassinos por excelência - criaturas que repousam em corpos de água à espera que as suas presas venham até si. É uma estratégia evolutiva que funcionou durante milénios. Eles fizeram sua primeira aparição há cerca de 55 milhões de anos. Atualmente, os crocodilos de água salgada são os maiores de todos os répteis vivos e são os maiores predadores terrestres do mundo.

6. Caranguejos ferradura

Caranguejos ferradura


Os caranguejos-ferradura são os fósseis vivos por excelência. Eles parecem-se com algo saído de um desenho artístico da explosão cambriana. Estas que ainda podem ser encontrados atualmente a rastejar nos pisos enlameados do oceano, surgiram pela primeira vez no período Ordoviciano tardio, há cerca de 450 milhões de anos. Assemelham-se a crustáceos, mas eles são parte do subfilo Chelicerata, por isso eles são mais estreitamente relacionados aos aracnídeos, como aranhas e escorpiões.

7. Vespas figo

Vespas figo


Na década de 1920, um fóssil com 34 milhões de anos de idade de uma vespa de figo foi descoberta, mas incorretamente identificada como uma formiga. O fóssil foi re-analisado em 2010, revelando a sua verdadeira identidade - uma espécie existente que pouco mudou em dezenas de milhões de anos. Notavelmente, as vespas de figo e figueiras foram evoluindo juntas há mais de 60 milhões de anos.

8. Ginkgo Biloba

Ginkgo Biloba


Se alguma vez houve uma semente de planta que merece o título de fóssil vivo é a árvore Ginkgo biloba. A planta é nativa da China e não tem parentes vivos. Impressões de folhas desta árvore fossilizadas foram encontrados em rochas sedimentares dos períodos Jurássico e Triássico, quando os dinossauros ainda percorriam a terra. As folhas em forma de leque e sementes nuas de árvores vivas de Ginkgo biloba mudaram muito pouco em mais de 200 milhões de anos. Hoje em dia, no formato de extracto, a planta é utilizada para melhorar a memória e a concentração.

9. Cicadácea

Cicadácea


São plantas notáveis com sementes que floresceram durante os dias dos dinossauros. Na verdade, eles eram muito numerosas durante o Mesozóico. Têm um tronco colunar de crescimento lento e uma coroa de folhas que superficialmente se assemelha a uma palmeira. As suas sementes são as maiores de todas as plantas do género. Hoje , as populações de cicadáceas estão seriamente ameaçadas de extinção devido à coleta extensiva e ao decréscimo dos habitats.

10. Enguia de caverna P. Palau

Enguia de caverna P. Palau


Esta enguia só recentemente foi descoberto numa caverna 35 metros debaixo de água, na República de Palau. É tão diferente de outras criaturas semelhantes a enguia que forçou os biólogos a criar uma família totalmente nova para a descrevê-lo: Protoanguillidae. A análise do peixe mostrou que evoluiu de forma independente durante mais de 200 milhões de anos.

11. Náutilo

Náutilo


Esses moluscos marinhos têm permanecido praticamente inalterado há 500 milhões de anos. Eles apareceram pela primeira vez no período Cambriano tardio e tornaram-se um grupo significativo de predadores do mar durante o período Ordoviciano. Eles são os únicos cefalópodes vivos (um grupo que inclui polvos), cuja estrutura corporal óssea é exteriorizada como um escudo.

12. Tumores cancerosos

Tumores cancerosos


Isto é um pouco controverso, mas alguns cientistas têm proposto que as células cancerosas qualificam-se como fósseis vivos - o último remanescente de um momento evolutivo decisivo há cerca de 600 milhões de anos. Foi suposto que o cancro remonta ao princípio dos animais multicelulares, uma inovação evolutiva necessária às células para parar a replicação independente e começar a coordenação com o resto do organismo. 

Mas de acordo com Charles Lineweaver e Paul Davies, o cancro é o nosso mais antigo ancestral animal. Eles sugerem que estes organismos foram os primeiros a descobrir alguma medida de controlo sobre a replicação celular, mas faltou-lhes um controlo mais preciso do crescimento celular. [io9]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

  1. Existe a recomendação científica para o abandono do termo "fóssil vivo", por se tratar de conceito intuitivo e de simples morfologia de determinadas características da espécie (como a anatomia e aspecto geral do corpo), que são ressaltados de maneira arbitrária. O conceito de “fóssil vivo” também ignora as novidades evolutivas recentes, exclusivas. Estas razões são apontadas para justificar o abandono da expressão, inaplicável diante dos conceitos de sistemática moderna

    ResponderEliminar
  2. Não sei porque o Nautilus não resolveu se livrar da concha e evoluir para talvez um Bulbasaur ou Pikachu,rsrs.
    Mais interessante ainda é a desculpa que os evolucionistas usam para explicar o motivo pelo qual esses animais permanecem inalterados a tanto tempo. Ainda bem que a teoria da evolução permanece ainda como "teoria".

    ResponderEliminar