Europeus primitivos tinham a pele escura e olhos azuis

Europeus primitivos tinham a pele escura e olhos azuis
Em 2012, arqueólogos fizeram uma incrível descoberta numa caverna espanhola: um esqueleto intacto, com 8.000 anos, de um homem que viveu na área.

Após sequenciarem o genoma descobriram um pouco mais sobre a vida dos caçadores-recoletores do sul da Europa.

O homem La Braña, como é chamado, foi enterrado com uma outra pessoa, e ambos foram cercados por dentes do veado vermelho. Estes tinham provavelmente importância simbólica para o seu povo, que caçavam o cervo vermelho como uma de suas principais fontes de carne.

Na verdade, ornamentos de dentes de veados foram encontrados em antigos assentamentos humanos em toda a Europa. O homem de La Braña também viveu num momento de transição importante para a humanidade, no momento em que a agricultura se espalhou por todo o seu continente.

Embora as pessoas usassem agricultura há séculos no Oriente Médio, o homem de La Braña fazia parte de um grupo de caçadores-recoletores que vivia de forma nómada. No entanto, segundo o seu genoma, ele era descendente de povos do Oriente Médio. 

Esses povos imigraram para a Europa, espalhando-se em bandos nómadas, que negociavam através de grandes distâncias e parecem ter partilhado a mesma cultura. Eles também tinham algumas características físicas em comum, uma das quais eram os olhos azuis e a pele escura.

Tal combinação é raramente vista nos europeus modernos. Embora os europeus do sul tendam a ser um pouco mais escuros do que os do norte, eles ainda são têm uma coloração relativamente leve de pele em comparação com os africanos, uma adaptação muitas vezes ligada à necessidade de absorver mais luz solar e assim produzir quantidades adequadas de vitamina D. 

Embora o homem de La Braña fosse nómada, a sua ligação com grupos agrícolas, no entanto, verificou-se através dos seus genes. Os cientistas sabem que a vida sedentária agrícola mudou o genoma humano, através da criação de um ambiente onde as pessoas estavam mais propensas a sobreviver se podessem afastar doenças infecciosas associadas com a vida da cidade de alta densidade. 

O homem de La Braña tinha algumas características originadas nas sociedades agrícolas: o seu sistema imunológico era aparentemente capaz de lutar contra uma série de doenças, como a tuberculose, pneumonia e malária. Dos 40 genes envolvidos na imunidade que a equipe verificou, 24 (60%) eram semelhantes aos dos europeus modernos.

Ainda assim, o homem de La Braña ainda não era capaz de digerir amidos e quebrar a lactose corretamente. Os genes que nos permitem fazer isso também são mutações cruciais que ajudaram as pessoas a adaptar-se à sociedade agrícola na Europa.

Portanto, é provável que o homem de La Braña fizesse parte de uma sociedade de transição, onde os agricultores e os caçadores-recoletores co-existiam, e talvez até partilhavam as mesmas tradições culturais. [io9]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário