Descoberto rio de hidrogénio a fluir através do espaço

Descoberto rio de hidrogénio a fluir através do espaço
Astrónomos descobriram o que pode ser um rio nunca antes visto de hidrogénio a fluir através do espaço.

Este filamento muito ténue de gás está a fluir para a galáxia próxima NGC 6946 e pode ajudar a explicar como certas galáxias espirais acompanham o seu ritmo constante de formação de estrelas.

Utilizando o telescópio da Fundação Nacional de Ciência Robert C. Byrd Green Bank (GBT), o astrónomo DJ Pisano da Universidade de West Virginia, fez a descoberta.

"Sabíamos que o combustível para a formação de estrelas tinha que vir de algum lugar. Até agora, no entanto, temos detectado apenas cerca de 10% do que seria necessário para explicar o que observamos em muitas galáxias", disse Pisano. 

"A principal teoria é que os rios de hidrogénio - conhecidos como fluxos de frio - pode transportar hidrogénio através do espaço intergaláctico, alimentando a formação de estrelas. Mas esse ténue hidrogénio tem sido simplesmente demasiado difuso para se detectar, até agora", acrescentou.

As galáxias espirais, como a nossa Via Láctea, normalmente mantêm um ritmo bastante tranquilo, mas constante, de formação de estrelas. Outras, como NGC 6946, que está localizada a aproximadamente 22 milhões de anos-luz da Terra, são muito mais ativas. 

Isso levanta a questão de o que está a alimentar a formação de estrelas sustentada nestas galáxias espirais similares. Estudos anteriores da vizinhança galáctica em torno NGC 6946 com o telescópio de rádio Westerbork Synthesis (WSRT) revelaram uma auréola prolongada de hidrogénio (uma característica comum em galáxias espirais, que pode ser formada por hidrogénio ejetado do disco da galáxia pela intensa formação de estrelas e explosões de supernovas). 

No entanto, um fluxo frio, diz respeito ao hidrogénio ser proveniente de uma fonte completamente diferente: sendo gás proveniente do espaço intergaláctico, que nunca tenha sido aquecido a temperaturas extremas por processos de nascimento de estrela ou supernovas de uma galáxia.

Usando o GBT, Pisano foi capaz de detectar o brilho emitido pelo gás de hidrogénio neutro a conectar NGC 6946 aos seus vizinhos cósmicos. Astrónomos há muito tempo teorizavam que as galáxias maiores poderiam receber um fluxo constante de hidrogénio frio a partir de companheiras menos maciças.

Ao olhar para NGC 6946, o GBT detectado exatamente o tipo de estrutura filamentar que estaria presente num fluxo de frio, embora não haja outra explicação provável para o que tem sido observado. 

Também é possível que, em algum momento no passado, esta galáxia tivesse um encontro próximo e passasse pelos seus vizinhos, deixando uma fita de hidrogénio atómico neutro na sua esteira. No entanto, se fosse esse o caso, não deveria haver uma população pequena, mas perceptível de estrelas nos filamentos.

Mais estudos ajudarão a confirmar a natureza desta observação e poderão lançar luz sobre o possível papel que os fluxos de frios desempenham na evolução das galáxias. Estes resultados foram publicados no Astronomical Journal. [Sciencedaily]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário