2000 pessoas podem estar enterradas na Universidade do Mississippi, dizem autoridades

2000 pessoas podem estar enterradas na Universidade do Mississippi, dizem autoridades
Funcionários da Universidade do Mississippi atualizaram a contagem de corpos após um levantamento fundiário que descobriu mais 800 a 1.000 sepulturas na propriedade.

Até 2.000 sepulturas incógnitas foram identificadas com terra, que é cortada por uma estrada, disseram autoridades. Os restos mortais foram descobertos através da utilização de radar de penetração no solo.

"Nós sempre soubemos que havia túmulos neste local, muitos deles sem identificação. Foi realmente uma questão de saber quantos e onde", disse Jack Mazurak, porta-voz da Universidade, em entrevista ao Mississippi News Now.

Mazurak disse que alguns dos túmulos são provenientes do velho Hospital Psiquiátrico do Mississippi, que ocupou as terras entre 1855 e 1935. Outros túmulos pode estar associados a uma igreja e campo para pessoas indigentes.


"Nós reconhecemos que estes são parentes das pessoas. Ouvimos o tempo todo, nas mídias sociais, as pessoas a dirigirem-se a nós dizendo que tinham uma avó que estava no asilo de loucos", disse Mazurak. "Nós reconhecemos que haja uma conexão direta com as pessoas de hoje".

Os pesquisadores informaram também que as pessoas enterradas podem incluir pacientes com tuberculose, ex-escravos e vítimas da Guerra Civil Americana. O enterro é uma proposta cara, com funcionários da universidade a estimar o custo em $3.000 por túmulo - até $6 milhões no total.

Especialistas acreditam que as futuras adições ao centro médico e outros edifícios no campus podem ter que ser reconsideradas à luz da macabra descoberta. Cerca de 66 túmulos foram descobertos durante uma escavação arqueológica no campus no ano passado.

A estrada foi construída depois dos restos mortais serem removidos para pesquisa. "É importante para nós sermos capazes de exumar essas pessoas de uma forma muito respeitosa e ética", disse Molly Zuckerman, professor assistente de antropologia na Universidade Estadual do Mississippi.

"O objetivo é tratá-los e analisá-los com respeito", acrescentou. A universidade planeia deixar as sepulturas restantes imperturbáveis. [HuffPost]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário