Como as estrelas morrem: Revelada natureza das supernovas (com video)

Como as estrelas morrem: Revelada natureza das supernovas (com video)
Um dos maiores mistérios da astronomia: como as estrelas explodem em supernovas, finalmente está a ser desvendado com a ajuda do telescópio NuSTAR da NASA.

O observatório de raios-X de alta energia criou o primeiro mapa de material radioativo num remanescente de supernova. Os resultados, de um remanescente chamado Cassiopeia A (Cas A), revelam como as ondas de choque rasgam as massivas estrelas a morrer.

"Estrelas são bolas esféricas de gás, e assim você pode pensar que quando acabam as suas vidas e explodem, a explosão seria parecido com uma bola uniforme a expandir com grande poder", disse Fiona Harrison, o investigadora principal do NuSTAR no Caltech, EUA.

"Os nossos novos resultados mostram como o coração da explosão, ou motor, é distorcido, possivelmente porque as regiões do interior literalmente chapinham ao redor antes de detonar", acrescentou Harrison, que co-autora de um artigo sobre os resultados publicados na revista Nature.


Cas A foi criada quando uma estrela maciça explodiu em supernova, deixando um cadáver estelar denso e os seus restos ejetados. A luz da explosão chegou à Terra há algumas centenas de anos, sendo que estamos a ver o remanescente estelar quando ele era ainda fresco e jovem.

As supernovas semear o universo com muitos elementos, incluindo o ouro, o cálcio e o ferro. Enquanto pequenas estrelas como o nosso sol têm mortes menos violentos, as estrelas com pelo menos oito vezes a massa do nosso Sol explodem em supernovas.

As temperaturas elevadas e as partículas criadas com a fusão de elementos leves criar os elementos mais pesados​. O NuSTAR é o primeiro telescópio capaz de produzir mapas de elementos radioativos em remanescentes de supernovas. 

Neste caso, o elemento é titânio-44, que tem um núcleo instável produzido no centro da estrela de explosão. O mapa NuSTAR de Cas A mostra o titânio concentrado em aglomerados no centro do remanescente e aponta para uma possível solução para o mistério de como a estrela encontrou o seu fim.

O mapa NuSTAR também lança dúvidas sobre outros modelos de explosões de supernovas, em que a estrela está a girar rapidamente, pouco antes de morrer e lança córregos estreitos de gás que levam à explosão estelar.

Apesar de impressões de jatos serem vistas em torno de Cas A, não se sabia se eles estavam a provocar a explosão. O NuSTAR não viu o titânio, essencialmente as cinzas radioactivas provenientes da explosão, em regiões estreitas que coincidem com os jatos, sendo que os jatos não foram o gatilho explosivo.

Os pesquisadores vão continuar a investigar o caso da explosão dramática de Cas A. Séculos depois da sua morte marcar os nossos céus, este remanescente de supernova continua a causar perplexidade e surpresa nos astrónomos. [NASA]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário