Estamos a viver dentro de um buraco negro?

Estamos a viver dentro de um buraco negro?
O nosso universo pode residir dentro de um grande buraco negro. Veja porque alguns astrofísicos acreditam que o nosso universo se originou num buraco negro maciço.

Vamos voltar atrás o relógio. Antes dos seres humanos existirem, antes da formação da Terra, do sol se acender, antes das galáxias surgirem, antes da luz poder brilhar, houve o Big Bang. Isso aconteceu há 13,8 bilhões de anos atrás.

Mas o que aconteceu antes disso? Muitos físicos dizem que não há antes disso. O tempo começou a funcionar, insistem, no instante em que ocorreu o Big Bang, e ponderar sobre algo anterior não é do reino da ciência.

Nós nunca vamos entender qual era a realidade pré-Big Bang, ou do que ela era formada, ou porque ela explodiu para criar o nosso universo. Tais noções estão para além da compreensão humana. Mas alguns cientistas não convencionais discordam dessa visão.

Esses físicos teorizam que, um momento antes do Big Bang, toda a massa e energia do universo emergente estava compactada numa partícula finita incrivelmente densa. Vamos chamá-lo a semente de um novo universo.

Pensa-se que esta semente seria quase inimaginavelmente pequena, possivelmente trilhões de vezes menor do que qualquer particula que o ser humano é capaz de observar. E ainda é uma partícula que pode desencadear a produção de todas as outras partículas, para não mencionar todas as galáxias, sistemas solares, planetas, etc.

Se você quiser realmente quer chamar a algo partícula de Deus, esta semente parece ajustar-se perfeitamente. Então, como foi criada essa semente? Uma ideia, cogitada há vários anos emergiu de Nikodem Poplawski, da Universidade de New Haven.

Poplawski acredita e afirma que a semente do nosso universo foi forjada no que podemos considerar forno final, provavelmente o ambiente mais extremo em toda a natureza: nada mais nada menos que no interior de um buraco negro.

É importante saber, antes de avançarmos, que ao longo do último par de décadas, muitos físicos teóricos passaram a acreditar que o nosso universo não é o único. Em vez disso, pode ser parte do multiverso, uma imensa variedade de universos separados.

Como, ou mesmo se, um universo está ligado a outro é uma fonte de muito debate altamente especulativo e, a partir de agora, completamente improvável. Mas uma ideia atraente é que a semente de um universo é semelhante à semente de uma planta: É um pedaço de material essencial, fortemente comprimido, escondido dentro de uma concha protetora.

Isto descreve exatamente o que é criado dentro de um buraco negro. Os buracos negros são os cadáveres de estrelas gigantes. Quando tal estrela esgota o seu combustível, o seu núcleo entra em colapso para dentro de si mesma.

A gravidade puxa tudo num aperto cada vez mais acirrado. As temperaturas atingem 100 mil milhões de graus. Os átomos são esmagadas e os electrões são triturados. A estrela, por esta altura, transforma-se em buraco negro, o que significa que sua atração gravitacional é tão grave que nem mesmo um feixe de luz pode escapar.

A fronteira entre o interior e o exterior de um buraco negro é chamado de horizonte de eventos. Buracos negros enormes, alguns deles com milhões de vezes a massa do sol, foram descobertos no centro de quase todas as galáxias, incluindo a nossa própria Via Láctea.

Se você usar as teorias de Einstein para determinar o que ocorre no fundo de um buraco negro, você vai calcular um local que é infinitamente denso e infinitamente pequeno: um conceito hipotético chamado de singularidade.

Mas infinitos não são tipicamente encontrados na natureza. A desconexão encontra-se com as teorias de Einstein, que fornecem cálculos maravilhosas para a maioria dos cosmos, mas tendem a quebrar em face de forças enormes, como aqueles dentro de um buraco-negro ou presentes no nascimento do nosso universo.

Físicos como Poplawski dizem que a matéria dentro de um buraco negro chega a um ponto em que não pode ser esmagada mais. Esta "semente" pode ser incrivelmente minúscula, com o peso de um bilhão de sóis, mas ao contrário de uma singularidade, é real.

O processo de compactação pára, de acordo com Dr. Poplawski, porque os buracos negros giram. Eles giram muito rapidamente, possivelmente perto da velocidade da luz. E esta rotação dota a semente compactada com uma enorme quantidade de torção.

Não é apenas pequena e pesada, é também torcida e comprimida, que de repente pode soltar-se com um estrondo. Aquilo a que convenientemente chamamos de Big Bang o Dr. Poplawski prefere chamar de "Big Bounce".

É possível, por outras palavras, que um buraco negro seja um canal, diz Poplawski, entre dois universos. Isto significa que se você cair no buraco negro no centro da Via Láctea, é concebível que acabe noutro universo.

Este outro universo não está dentro do nossa, acrescenta Poplawski, sendo o buraco apenas a ligação, como uma raiz comum que conecta duas árvores de álamo. E o que dizer de todos nós, aqui no nosso próprio universo? Podemos ser o produto de um outro universo mais velho.

A semente deste universo foi forjada dentro de um buraco negro que pode ter tido o seu grande salto há 13,8 bilhões de anos, e mesmo que nosso universo se tenha expandido rapidamente desde então, ainda pode estar escondido atrás de horizonte de eventos de um buraco negro. [nationalgeographic]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário