Será que vida extraterrestre evoluiu logo após o Big Bang? (com videos)

Será que vida extraterrestre evoluiu logo após o Big Bang? (com videos)
Os terráqueos podem ser retardatários extremos num universo cheio de vida, com micróbios alienígenas possivelmente a encher exoplanetas a apenas 15 milhões de anos após o Big Bang, sugere uma nova pesquisa.

Tradicionalmente, os astrobiólogos gostam de resolver o mistério da origem da vida no universo olhando para planetas em zonas habitáveis ​​em torno de estrelas.

Também conhecidas como zonas Goldilocks, estas regiões são consideradas como estando a distâncias suficientes das estrelas para o aparecimento de água líquida, um pré-requisito para a vida como a conhecemos existir.

Mas até mesmo os exoplanetas que orbitam muito além da zona habitável podem ter sido capazes de manter a vida num passado distante, aquecidos pela radiação remanescente do Big Bang que criou o universo há 13,8 bilhões de anos, afirma Abraham Loeb, astrofísico de Harvard.



Para efeito de comparação, as primeiras evidências de vida na Terra datam de há 3,8 bilhões de anos, cerca de 700 milhões de anos após o nosso planeta se formar. Logo após o Big Bang, o universo era um lugar muito mais quente.

Estava cheio de plasma escaldante - gás superaquecido - que gradualmente resfriou. A primeira luz produzida por este plasma é a radiação cósmica de fundo que observamos hoje, que data de cerca de 389 mil anos após o Big Bang.

Agora, a radiação cósmica de fundo está fria - cerca menos 270 graus Celsius. Esfriou gradualmente com a expansão do universo, e em algum momento durante o processo de resfriamento, por um breve período de sete milhões de anos, a temperatura foi ideal para formar vida - entre 0 e 100 graus Celsius.

Esse calor da radiação cósmica de fundo teria permitido que a água permanecesse líquida em exoplanetas antigos, disse Loeb. "Quando o universo tinha 15 milhões de anos, a radiação cósmica de fundo tinha uma temperatura de um dia de verão quente na Terra", disse ele.

"Se os planetas rochosos existiam nessa época, então a radiação cósmica de fundo poderia ter mantido a sua superfície quente, mesmo que não residissem na zona habitável em torno da sua estrela-mãe", acrescentou.

Mas a questão é se os planetas - e especialmente planetas rochosos - já poderiam ter-se formado nessa época. De acordo com o modelo cosmológico padrão, as primeiras estrelas começaram a formar-se a partir de hidrogénio e hélio dezenas de milhões de anos após o Big Bang. 

Nessa altura, ainda não havia elementos pesados​​, que são necessários para a formação dos planetas. Mas Loeb diz que raras "ilhas" embaladas com matéria mais densa podem ter existido no início do universo, e estrelas maciças e de vida curta poderiam ter-se formado antes do esperado.

As explosões destas estrelas poderia ter semeado o cosmos com elementos pesados e os primeiros planetas rochosos poderiam ter nascido. Estes primeiros planetas teria sido banhados na radiação quente, e assim, argumenta Loeb, teria sido possível terem água líquida na sua superfície.

Loeb diz que uma maneira de testar a sua teoria é através de pesquisa na nossa galáxia, a Via Láctea, de planetas em torno de estrelas com quase nenhum elemento pesado​​. Tais estrelas seriam as análogas próximas dos primeiros planetas do universo inicial.

Baseado nas suas descobertas, Loeb também desafia a ideia da cosmologia conhecida como o princípio antrópico. Este conceito tenta explicar os valores dos parâmetros fundamentais, argumentando que os seres humanos não poderiam ter existido num universo onde estes parâmetros fossem diferentes do que são.

Assim, embora possa haver muitas regiões num maior "multiverso", onde os valores destes parâmetros variam, os seres inteligentes deveriam existir apenas num universo como o nosso, onde esses valores estão muito bem sintonizados para a vida.



Por exemplo, Albert Einstein identificou um parâmetro fundamental apelidado de constante cosmológica, na sua teoria da gravidade. Esta constante é agora pensada explicar a expansão acelerada do universo. Também conhecida como a energia escura, esta constante pode ser interpretada como a densidade de energia do vácuo, um dos parâmetros fundamentais do nosso universo.

O raciocínio antrópico sugere que pode haver diferentes valores para este parâmetro em diferentes regiões do multiverso - mas o nosso universo foi criado apenas com a constante cosmológica correta para permitir a nossa existência e para nos permitir observar o cosmos que nos rodeia.

Loeb discorda. Ele diz que a vida poderia ter surgido no início do universo, mesmo que a constante cosmológica fosse um milhão de vezes maior do que a observada, acrescentando que "o argumento antrópico tem um problema em explicar o valor observado da constante cosmológica".

Edwin Turner, professor de ciências astrofísicos da Universidade de Princeton, que não esteve envolvido no novo estudo, considera a investigação "muito original, estimulante e instigante". O astrofísico Joshua Winn, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, que não fez parte do estudo, concorda.

"No nosso campo, tornou-se tradicional adotar uma definição de planeta potencialmente habitável, como aquele que tem uma superfície sólida e uma temperatura de superfície propícia para a água líquida", disse ele.

"Muitos trabalhos têm sido escritos sobre condições exactas em que podemos encontrar esses planetas - que tipo de composição interior, atmosfera e campo de radiação estelar. Avi tomou este ponto a um extremo lógico, ao apontar que, se estas duas condições são realmente as únicas condições importantes, então não há outra maneira de alcançá-los, senão fazer uso da radiação cósmica de fundo", conclui.

O artigo de Loeb está disponível em arXiv.org, e pode ser visualizado aqui. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário