7 fatos surpreendentes sobre o universo

7 fatos surpreendentes sobre o universo
Desde a sua expansão e aceleração de matéria e energia escura, o universo continua a surpreender e a deixar perplexos os astrónomos. [O universo do Big Bang aos nossos dias em 10 passos simples]

Aqui estão algumas das coisas mais surpreendentes e interessantes sobre o universo em que vivemos.

7. O Universo é muito antigo

O universo começou com o Big Bang e estima-se ter cerca de 13,7 bilhões de anos (com uma margem de erro de mais ou menos 130 milhões de anos).

Os astrónomos calcularam esse valor através da medição da composição da matéria e da densidade de energia do universo, o que lhes permitiu determinar a rapidez com que o universo se expandiu no passado.

O Universo é muito antigo


Como resultado, os pesquisadores podem voltar atrás o tempo e identificar quando o Big Bang ocorreu. O tempo entre a explosão e a atualidade torna-se a idade do universo. [Qual a idade do universo?]

6. O Universo está a aumentar

Na década de 1920, o astrónomo Edwin Hubble fez a descoberta revolucionária de que o universo não é estático, mas encontra-se em expansão. No entanto, os astrónomos acreditavam que a gravidade da matéria no universo retardaria essa expansão ou até faria com que ele se contraísse.

O Universo está a aumentar


Em 1998, o Telescópio Espacial Hubble estudou supernovas muito distantes e descobriu que, há muito tempo, o universo estava a expandir-se mais lentamente do que atualmente. Esta descoberta intrigante sugeriu que uma força inexplicável, chamada energia escura, é o motor da expansão acelerada do universo. [Qual é o tamanho do universo?

Enquanto se pensa que a energia escura é a força estranha que está a puxar o cosmos a velocidades cada vez maiores, ela continua a ser um dos maiores mistérios da ciência porque a sua detecção permanece indefinida para os cientistas.

5. A taxa de crescimento do Universo está a acelerar

A misteriosa energia escura não parece estar apenas a comandar a expansão do universo, parece também estar a puxar o cosmos a velocidades cada vez maiores. Em 1998, duas equipas de astrónomos anunciaram que o universo não está apenas em expansão mas também a acelerar.

A taxa de crescimento do Universo está a acelerar


De acordo com os pesquisadores, quanto mais longe uma galáxia está da Terra, mais rápido ela se está a afastar. A aceleração do universo também confirma a teoria da relatividade geral de Albert Einstein.

Ultimamente, os cientistas têm modificado a constante cosmológica de Einstein para explicar a energia escura estranha que parece estar a contrariar a gravidade, fazendo com que o universo se expanda a um ritmo acelerado. [Constante cosmológica revista prevê um universo em colapso]

4. O Universo pode ser plano

A forma do universo é influenciada pela luta entre a força da gravidade (com base na densidade da matéria no universo) e a taxa de expansão. Se a densidade do universo exceder um certo valor crítico, o universo está "fechado", como a superfície de uma esfera.

O Universo pode ser plano


Isto implica que o universo não é infinito, mas não tem fim. Neste caso, o universo acabará por parar de se expandir e começará a colapsar sobre si mesmo num evento conhecido como o "Big Crunch".

Por outro lado, se a densidade do universo é menor do que o valor crítico de densidade, a forma do universo é "aberta", como a superfície de um selim. Neste caso, o universo não tem limites e vai continuar a expandir-se para sempre.

No entanto, se a densidade do universo for exactamente igual à densidade crítica a geometria do universo é "plana", tal como uma folha de papel. Aqui , o universo não tem limites e expandir-se-á para sempre.

No entanto, a taxa de expansão irá gradualmente aproximar-se de zero depois de uma quantidade infinita de tempo. Medições recentes sugerem que o universo é plano, com cerca de uma margem de 2 por cento de erro. [Qual é a forma do universo?]

3. O universo está cheio de material invisível 

O universo é maioritariamente composto por coisas que não podem ser vistas. Na verdade, as estrelas, planetas e galáxias que podem ser detectadas representam apenas 4% do universo, de acordo com os astrónomos.

O universo está cheio de material invisível


Os outros 96% são compostos por substâncias que não podem ser vistas ou facilmente compreendidas. Essas substâncias, chamadas energia escura e matéria escura, não foram detectadas, mas os astrónomos baseiam a sua existência na influência gravitacional que ambas exercem sobre a matéria vísivel. [O que é a matéria escura?]

2. O Universo tem ecos do seu nascimento 

A radiação cósmica de fundo é composta por ecos de luz que sobraram do Big Bang que criou o universo, há 13,7 bilhões de anos. Esta relíquia da explosão do Big Bang paira em torno do universo como um véu de radiação. 

O Universo tem ecos do seu nascimento


A Missão Planck da Agência Espacial Europeia mapeou o céu inteiro à luz de microondas para revelar novas pistas sobre como o universo começou. As observações do Planck são os pontos de vista mais precisos da radiação cósmica de fundo já obtidos.

Os cientistas esperam usar os dados da missão para resolver algumas das questões mais debatidas em cosmologia, como o que aconteceu imediatamente depois do universo ter sido formado.

1. Podem existir mais Universos 

A ideia de que vivemos num multiverso, em que o nosso universo é um de muitos, vem de uma teoria chamada inflação eterna, que sugere que logo após o Big Bang, o espaço-tempo se expandiu a taxas diferentes em lugares diferentes.

Podem existir mais Universos


De acordo com a teoria, isso deu origem a universos "bolhas" que poderiam funcionar com as suas próprias leis distintas da física.  O conceito é controverso e puramente hipotético até que estudos recentes procuraram marcadores físicos da teoria do multiverso na radiação cósmica de fundo. [Descoberta sugere que o nosso universo é parte de um Multiverso] [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário