Novo planeta anão descoberto na borda do sistema solar

À semelhança do Sedna um novo planeta anão foi descoberto na borda do sistema solar

Astrónomos descobriram um novo planeta anão muito além da órbita de Plutão, sugerindo que este reino distante contém milhões de objetos desconhecidos – incluindo, talvez, um mundo maior do que a Terra.


O corpo celeste recém-descoberto, chamado 2012 VP113, junta-se ao planeta anão Sedna como um residente confirmado de uma região longínqua e inexplorada que os cientistas chamam de Nuvem de Oort interior.

Além disso, 2012 VP113 e Sedna podem ter visto as suas órbitas alteradas por um grande planeta invisível espreitando nessas profundezas geladas. “Estes dois objetos são apenas a ponta do iceberg”, disse o co-autor Chadwick Trujillo, do Observatório Gemini, no Havaí.

“Eles existem numa parte do sistema solar que estamos acostumados a pensar ser desprovida de matéria. Isso só nos mostra o quão pouco realmente sabemos sobre o sistema solar”. [10 fatos fascinantes sobre o nosso sistema solar]

Sondando as profundezas


Durante várias décadas, os astrónomos têm dividido o nosso sistema solar em três partes principais: uma zona interna contendo os planetas rochosos, como a Terra e Marte; uma zona mediana abrigando os gigantes gasosos como Saturno, Júpiter, Urano e Neptuno, e uma região externa chamada Cinturão de Kuiper, povoada por mundos distantes e gelados, como Plutão. [10 coisas malucas que você deve saber sobre o nosso sistema solar]

A descoberta de Sedna, em 2003, deu a entender que este mapa está incompleto. O Sedna, que tem cerca de 1.000 quilómetros de largura, tem uma órbita extremamente elíptica, chegando mais perto do Sol do que 76 unidades astronômicas (UA) e distanciando-se em até 940 UA no seu ponto mais distante. (Um UA, a distância da Terra ao Sol, é de cerca de 150.000.000 km).

Isso coloca Sedna nos confins exteriores do sistema solar. Para efeito de comparação, a órbita de Plutão leva entre 29 e 49 UA do sol. E agora os astrónomos sabem que Sedna não está sozinho. [10 bizarros objetos não-planetários do nosso sistema solar]

Trujillo e Scott Sheppard, da Instituição Carnegie para a Ciência, em Washington, DC, descobriram 2012 VP113 usando a Dark Energy Camera, que está instalada num telescópio de 4 metros no Observatório Interamericano de Cerro Tololo, no Chile.

Observações de acompanhamento de outros telescópios ajudaram Trujillo e Sheppard a determinar detalhes da órbita de 2012 VP113 e a aprender um pouco mais sobre o objeto. Com 450 km de largura, o objeto é grande o suficiente para ser classificado como um planeta anão se for composto principalmente de gelo, disseram os pesquisadores.

A Nuvem de Oort interna


Objetos distantes como Sedna e 2012 VP113 são incrivelmente difíceis de detectar, e os astrônomos realmente só tem uma chance quando os corpos fazem sua maior aproximação do sol. Com base na quantidade do céu que os cientistas estudaram​​, Trujillo e Sheppard estimam que cerca de 900 corpos maiores do que Sedna podem existir na Nuvem de Oort interior.

A Nuvem de Oort é uma camada de gelo ao redor do sistema solar que está a 50.0000 UA do sol e contém trilhões de cometas. A população total de objetos na Nuvem de Oort interior, de fato, pode exceder a do Cinturão de Kuiper e o principal cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter, disseram os pesquisadores.

“Alguns desses objetos internos da Nuvem de Oort podem rivalizar com o tamanho de Marte ou mesmo da Terra”, disse Sheppard em comunicado. “Isso ocorre porque muitos dos objetos da Nuvem de Oort interior estão tão distantes que mesmo os muito grandes são muito fracos para serem detectados com a tecnologia atual”.

Planeta X?


Os astrônomos não sabem muito sobre a origem ou história evolutiva de Sedna e 2012 VP113 neste momento. Os objetos podem ter-se formado mais perto do sol, por exemplo, antes de serem empurrados para fora por interações gravitacionais com outras estrelas.

Também é possível que 2012 VP113 e seus vizinhos fossem eliminados do Cinturão de Kuiper para a Nuvem de Oort interior, quando um grande planeta passou perto há muito. Este planeta pode ter sido ejetado do sistema solar, ou ainda pode estar lá nos confins extremos, esperando para ser descoberto. [Onde está o Planeta X?]

De fato, certas características das órbitas de Sedna, de 2012 VP113 e vários objetos do Cinturão de Kuiper mais distantes são consistentes com a presença contínua de uma grande e extremamente distante perturbador, disseram os pesquisadores. É possível que um planeta cerca de 10 vezes mais maciço que a Terra esteja a orientar esses corpos nas suas órbitas atuais.

Tal suposição está longe de ser uma prova de que um desconhecido "Planeta X" existe realmente, ressaltou Trujillo. Mas ele afirma que a porta está aberta, observando que um corpo com a massa da Terra situado a 250 UA do sol provavelmente seria indetectável atualmente.

"Isso levanta a possibilidade de que possam haver coisas lá fora de uma massa significativa, com a massa da Terra ou maior, que nós não conhecemos", disse ele. O estudo foi publicado online hoje (26 de março) na revista Nature. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário