Quaoar, o planetóide para lá de Plutão

Quaoar, o planetóide para lá de Plutão
Quaoar é um planetóide que está além da órbita de Plutão no sistema solar.

A sua descoberta, em 2002, assim como as descobertas posteriores de outros mundos pequenos, levou a uma nova classificação e à redefinição de Plutão como planeta anão.

Quaoar é provavelmente grande o suficiente para ser considerado um planeta anão, mas não foi ainda classificado como tal.

Quaoar esconde-se no Cinturão de Kuiper, um grupo de objectos gelados para lá de Neptuno. Está a cerca de 42 unidades astronómicas, ou distâncias Terra-Sol, afastada.

Demora cerca de 288 anos para Quaoar dar uma volta em torno do Sol, tendo uma órbita aproximadamente circular.

Mike Brown e Chadwick Trujillo, do Instituto de Tecnologia da Califórnia descobriram Quaoar usando um telescópio de 48 polegadas do Observatório Palomar, na Califórnia. Eles sugeriram o nome Quaoar em honra de um deus criador da tribo nativa americana Tongva.

Segundo a lenda, Quaoar "desceu do céu, e, depois de reduzir o caos à ordem, colocou o mundo nas costas de sete gigantes Ele então criou os animais inferiores e depois a humanidade". O objeto tem cerca de 1.092 km de diâmetro, sendo maior do que os asteróides Ceres e menor que Plutão.

"Quaoar é maior em volume do que todos os asteróides conhecidos combinados. Os investigadores suspeitam que é feito principalmente de gelo de baixa densidade misturado com rocha, não muito diferente da composição de um cometa. Se assim for, a massa de Quaoar é, provavelmente, apenas um terço do que o cinturão de asteróides", escreveu a NASA na época. 

Em 2007, Brown anunciou que Quaoar tinha uma pequena lua. Nomeada em honra do deus do céu Weywot, filho de Quaoar, a lua é estimada ter apenas dois milésimos da massa do seu pai. Weywot é provavelmente o resultado de uma colisão entre Quaoar e outro objeto.

Vermelho e gelado


Acredita-se que Quaoar é vermelho e revestido de água no formato de gelo e que, no passado distante, teve uma atmosfera de monóxido de carbono, azoto e metano. Algumas destas moléculas fugiram para o espaço uma vez que a gravidade do objeto era pequena, mas o metano ficou.

A radiação do sol, gradualmente formou cadeias de hidrocarbonetos a partir dos átomos de carbono e hidrogénio que formam o metano. Este processo fez o planeta aparecer com a coloração vermelha nos telescópios. 

Planeta em debate


Brown também liderou as equipas que descobriram vários outros mundos anões na década de 2000, como Haumea, Éris e Sedna. Estes pequenos mundos fizeram os astrónomos perceber que objetos maiores se escondiam além de Plutão.

Em 2006, a União Astronómica Internacional reuniu-se para determinar como definir um planeta, uma vez que alguns se perguntavam o que chamar a esses grandes novos objetos. A IAU determinou as características que um objeto deve ter para ser um "planeta".

Segundo a IAU, um plaenta que deve ser grande o suficiente para ser redondo, deve orbitar o sol sem orbitar outro corpo e deve retirar os escombros em torno da sua órbita. "Planeta anão" significa que o objeto é redondo e orbita o sol, mas é demasiado pequeno para limpar detritos. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário