Enorme impacto no passado terá moldado Mercúrio

Enorme impacto no passado terá moldado Mercúrio
A misteriosa maquiagem do planeta mais interno do sistema solar pode ser devida a um maciço impacto ocorrido há bilhões de anos atrás, relata um novo estudo. [8 maiores mistérios dos planetas]

O embate colossal, com um planeta do tamanho da Terra, poderia ter arrancado muito do manto rochoso do proto-Mercúrio, explicando por que o pequeno mundo, queimado pelo sol tem um enorme núcleo de ferro.

Na verdade, os cientistas pensam que o núcleo de Mercúrio representa cerca de 60 por cento da sua massa. Nos restantes planetas rochosos como a Terra, Marte ou Vénus, o núcleo representa apenas cerca de 30 por cento.

Antes da MESSENGER da NASA (abreviação de MErcury Surface, Space ENvironment, GEochemistry, and Ranging) entrar na órbita de Mercúrio em março de 2011, muitos cientistas assumiam que um impacto gigante teria descolado o manto do planeta.

No entanto, se esse fosse o caso seria de esperar que a crosta de Mercúrio estivesse esvaziada de elementos leves. Quando a MESSENGER chegou a Mercúrio, os cientistas encontraram inesperadamente uma alta abundância de elementos voláteis, como potássio e enxofre. 

Desde então, também observaram altas concentrações de sódio e cloro, que também se julgavam estar esgotados em Mercúrio. Tal facto deixou um enigma - como um planeta rico em elementos moderadamente voláteis tem um núcleo de ferro gigante?

A resposta pode estar no tipo de impacto gigante - ou impactos - que Mercúrio sofreu logo após se formar há cerca de 4,5 bilhões de anos.

Num novo estudo, Erik Asphaug, da Universidade Estadual do Arizona e Andreas Reufer, da Universidade de Berna, publicaram modelos de computador com a ideia de muitas colisões no sistema solar inicial.

Ao invés de apenas construir corpos a partir de pedaços menores, a nova ideia vai defende que algumas luas e rochas do tamanho de planetas embatiam uns nos outros, às vezes lançando um corpo para fora da sua órbita, enquanto o pêndulo e os detritos de sobra se fundiam num planeta.

Uma tal colisão pode ter criado o planeta Mercúrio, bem como Marte, e pelo menos alguns dos maiores asteróides como Vesta e Psyche. O estudo foi publicado on-line a 6 de julho na revista Nature Geoscience.

Correndo simulações de computador, Asphaug e Reufer descobriram que se obtém um planeta como Mercúrio na maioria das vezes quando o pêndulo tem 4,5 vezes a massa atual de Mercúrio e bate num protoplaneta que tem 0,85 vezes a massa da atual Terra.

Ainda mais importante, o modelo assume que o corpo alvo e o pêndulo devem começar a re-acrescer material mesmo quando seguem caminhos separados. Os pesquisadores descobriram que a grande maioria do material - na sua maioria elementos mais leves do manto - caem de volta para o corpo alvo.

O pêndulo vai, assim, acabar por ser mais rico em metais do que era antes, mas ainda tem um monte de materiais voláteis. Reufer disse que é importante notar que ainda há um monte de perguntas que o novo modelo não responde.

"Onde estaria o corpo maior que atingiu Mercurio e de onde terá vindo? E onde está ele agora? O nosso modelo também implica um aquecimento bastante substancial. Qual seria o efeito na composição de Mercúrio?" Todas estas são questões serão para futuros estudos, disse ele. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário