10 fatos incríveis sobre a memória

10 fatos incríveis sobre a memória

A memória dá-nos capacidades e representa o que somos e o lugar que ocupamos no mundo. Conheça alguns fatos incríveis sobre a memória.


As nossas memórias estão em constante estado de fluxo, sendo alteradas por acidentes ou até manipuladas de propósito.

Saiba mais: 5 Fatos estranhos sobre a memória

Você pode não perceber, mas pelo tempo que você terminar de ler esta lista, a sua memória será alterada.

Conheça em seguida alguns dos fatos mais incríveis acerca da nossa memória, que certamente o irão surpreender.

10. A forma como mente afeta a memória


A sua capacidade de se lembrar das suas mentiras pode depender de como você se deita. Pesquisadores da Universidade Estadual de Louisiana estudaram dois tipos de mentiras - falsas descrições e falsas negações - para ver como as gravamos na memória e depois recuperamos.

Saiba mais: Memória: Definição e tipos

As falsas descrições detalhadas são mentiras que implicam relatar um evento que não aconteceu. As falsas negações são geralmente mentiras breves em que se declara que algo não é verdadeiro. As falsas descrições são muito mais fáceis de lembrar.

Elas são mais acessíveis e duram mais tempo porque podem implicar mais de esforço para construir. Se o ouvinte não parece acreditar na sua mentira, você tem que trabalhar ainda mais para tornar essa mentira crível.

A maioria dos participantes do estudo poderiam lembrar-se das suas falsas descrições após 48 horas. Por outro lado, as falsas negações são rápidas e relativamente fáceis. Você não tem que produzir detalhes, sendo que o seu cérebro não funciona tanto.

A maioria dos participantes do estudo não se lembrava das suas falsas negações após 48 horas. Os pesquisadores acreditam que as suas descobertas são importantes para interrogatórios criminais, mas eles apontam que os suspeitos inocentes têm dificuldade em lembrar negações verdadeiras.

9. Limpar a memória pode ajudar a vencer apostas esportivas


Você não pode ganhar sempre, mas de acordo com pesquisadores da University College London e da Universidade de Montreal, você provavelmente pode ser treinado para prever o vencedor de um evento esportivo quase tão bem quanto um computador.

Nossos cérebros costumam fazer decisões com base em um número limitado de memórias. Mas essas memórias podem ser enganosas se os eventos recuperados não produzirem os resultados mais prováveis. Em outras palavras, estamos usando dados ruins escolhidos aleatoriamente para fazer uma previsão. 

No estudo, dois grupos foram convidados para prever os vencedores de alguns jogos de beisebol. Ao grupo "real" foi dito os resultados reais dos jogos. Mas ao grupo "ideal" foi sempre dito que a equipe de maior patente venceu, mesmo quando isso não era verdade.

Isto "limpou" as memórias do grupo ideal, dando-lhes uma boa evidência estatística para fazer decisões precisas. Quando os dois grupos previram o resultado dos jogos futuros, o grupo ideal foi melhor na escolha do vencedor.

Claro que, em um ambiente de laboratório, o grupo ideal nunca viu resultados reais. Mas isso foi apenas uma maneira de se certificar de que este método servia para treinar alguém para fazer uma previsão melhor.

Os pesquisadores acreditam que este tipo de formação poderá ser utilizada de forma eficaz pelos meteorologistas, analistas financeiros e médicos. Para a pessoa média, este método pode ser usado para fazer previsões esportivas.

8. Justificar atrocidades altera memórias de guerra


De acordo com um estudo da Universidade de Princeton, a memória de um povo inteiro pode ser alterada para justificar atrocidades cometidas pelo seu lado em uma guerra. Isso inclui ações abertamente desumanas.

Os pesquisadores acreditam que as pessoas são motivadas a se lembrar de informações de uma forma que atribua responsabilidade moral às suas ações recordadas. No estudo, 72 europeus-americanos, leram quatro histórias sobre soldados que cometem atrocidades durante a guerra no Iraque e no Afeganistão. Cada história continha justificativas para as ações de um soldado.

Duas histórias eram sobre soldados americanos; duas eram sobre soldados afegãos. Os participantes do estudo, em seguida, assistiram a um vídeo recontando duas das quatro histórias, mas sem justificativas para as atrocidades.

Quando testados, os participantes eram mais propensos a lembrar as atrocidades de ambos os soldados americanos e afegãos apenas dos vídeos. Mas, mais frequentemente, eles se lembravam das racionalizações para os soldados americanos apenas.

Mesmo que os vídeos não incluíssem justificativas para as atrocidades, os participantes recuperavam seletivamente essas lembranças a partir das histórias que tinham lido. Os pesquisadores acreditam que isso é importante para entender como os políticos e os jornalistas podem influenciar o comportamento do público, incluindo a forma como as pessoas votam.

7. Negros inteligentes podem ser lembrados como brancos


Conforme publicado no SAGE Open, um experimento deu a estudantes universitários exposição subliminar rápida para tanto a palavra "ignorante" ou a palavra "educação". Então eles viram uma foto do rosto de um homem negro.

Mais tarde, esses alunos viram sete fotografias da mesma cara: a original, além de três fotos com tons de pele mais leves e três com tons de pele mais escuros. Das sete fotos, os alunos foram convidados a escolher a verdadeira.

Os alunos que tinham sido expostos de forma subliminar à palavra "educação" eram muito mais propensos a lembrar o homem negro com tons de pele mais leves do que ele realmente tinha. Isto é conhecido como "viés de memória do tom da pele".

Isso sugere que, quando os estereótipos esperados são mostrados como estando errados, a memória de uma pessoa compensa para proteger o seu prejuízo. Assim, um homem negro intelectualmente bem-sucedida pode ser lembrado como mais brancos em tom de pele do que ele realmente é.

Em vez de quebrar um estereótipo, este homem negro pode ser encarado como uma exceção. É uma forma através da qual as memórias torcem informação para proteger as crenças culturais sobre raça e inteligência, mesmo quando essas crenças são erradas.

6. Analgésicos evitam perda de memória associada a marijuana


O valor da maconha no tratamento de condições médicas, desde câncer a epilepsia, pode ser colocado em causa devido aos seus efeitos colaterais, que incluem problemas de aprendizagem e memória. Mas pesquisadores da Universidade do Estado de Louisiana podem ter resolvido alguns destes problemas.

Eles descobriram que o ingrediente activo principal na marijuana, delta-9-THC, aumenta os níveis de uma enzima chamada COX-2 no hipocampo de ratos. O hipocampo é a parte do cérebro envolvida na memória e aprendizagem.

Os pesquisadores descobriram que as drogas ou técnicas genéticas que reduziram os níveis de COX-2 em ratos impediam problemas de memória a partir de Delta-9-THC. Os seus resultados sugerem que o ibuprofeno, um medicamento para a dor que inibe COX-2, pode evitar os problemas de memória e de aprendizagem associada com o consumo de marijuana.

Os pesquisadores também acreditam que delta-9-THC e um inibidor de COX-2 (a prevenir os seus efeitos secundários) pode ser eficaz no tratamento da doença de Alzheimer.

Um estudo mais recente da Universidade de Stanford descobriu que os bloqueadores de endocanabinóides, que são produtos químicos internos do cérebro humano, estão ligadas às fases iniciais da doença de Alzheimer.

5. Passar por portas provoca lapsos de memória


Não importa se você está entrando ou saindo, o simples ato de passar por uma porta pode fazer você esquecer alguma coisa, de acordo com um estudo da Universidade de Notre Dame.

Chamado de "evento fronteira", esse ato simples separa o que acontece em um quarto do que acontece em outro. Isso faz com que seja difícil lembrar o que foi decidido ou feito em uma sala diferente porque está arquivado separadamente na sua mente.

Em ambas as configurações virtuais e reais, os estudantes universitários realizaram tarefas como a escolha de um item em uma mesa e trocarem esse item para outro em uma mesa diferente.

As tarefas foram realizadas de três formas diferentes: todas em uma sala, movendo-se através de uma porta em uma sala diferente, e movendo-se através de uma série de portas que levam de volta para a sala.

Em cada caso, os estudantes esqueceram mais depois de caminharem por uma porta, mesmo que acabassem na sala original. Isto sugere que não é o ambiente que afeta a memória, mas o ato de passar por uma porta.

4. Mulheres lembram-se melhor de homens com vozes mais graves


De acordo com pesquisadores da Universidade de Aberdeen, um homem que quer que uma mulher se lembre dele deve falar em uma voz de baixa-frequência. As mulheres preferem fortemente esse tipo de voz e lembram-se melhor de objetos quando lhes são apresentados por um homem com uma voz profunda.

No entanto, a forma como o rosto de uma pessoa será lembrado depende de quão distintivas as características faciais são. Psicólogos da Universidade de Jena descobriram que somos mais propensos a lembrar rostos pouco atraentes se aos rostos atraentes faltarem recursos especialmente visíveis, como grandes olhos.

Um estudo da Universidade de Iowa descobriu que o cérebro processa o som diferente da visão e do tato. Esses pesquisadores acreditam que os sons repetidos mentalmente podem ajudá-lo a lembrar-se deles

3. Amor à primeira vista pode ser um truque da memória


Cada vez que você recupera uma memória, ela é reescrita com informações atuais para atender à realidade do seu mundo atual. É por isso que pesquisadores da Universidade de Northwestern acham que o "amor à primeira vista" é, provavelmente, nada mais do que um truque de memória.

Eles acreditam que você está projetando o seu amor atual para o seu parceiro de volta para a primeira vez que você o conheceu. Para testar isso, os pesquisadores fizeram as pessoas recordarem a localização de objetos em uma tela de computador.

Quando o fundo foi alterado, os participantes sempre escolheram o local errado. Na sua próxima tentativa, eles novamente escolheram o mesmo local errado que tinham escolhido da primeira vez que o fundo foi alterado.

As suas memórias tinham se adaptado à nova informação, apesar de ter sido errada. Diversas variações deste experimento mostraram que a memória torna-se menos precisa de cada vez que você a recupera.

Na verdade, ela pode eventualmente tornar-se completamente falsa, razão pela qual os depoimentos das testemunhas em julgamentos criminais são pouco fiáveis.

De facto, um grupo diferente de estudos da Universidade Estadual de Iowa mostrou que você pode deliberadamente manipular a memória de alguém através da introdução de novas informações quando a pessoa lembra um evento.

Mas você só tem uma janela de seis horas depois de cada vez que a memória é recuperada. Caso contrário, a memória provavelmente não pode ser alterada até à próxima vez que for lembrada.

2. Mesmo pessoas com boa memória podem fazer falsas memórias


Alguma vez você já desejou poder lembrar-se de tudo o que você já fez? Algumas pessoas podem – chama-se memória autobiográfica muito superior (HSAM) e essas pessoas podem lembrar de detalhes específicos das suas atividades diárias - e as emoções que sentiram no momento.

Mas as pessoas com HSAM também são vulneráveis a distorções da memória, eles apenas não as percebem. Para pesquisadores da Universidade da Califórnia, indivíduos HSAM parecem ter lembrança autobiográfica quase perfeita, se não houver desinformação a influenciá-los. Mas eles são tão vulneráveis a falsas memórias como o resto das pessoas.

1. Memórias podem ser manipuladas para apagar o medo


Uma memória de longo prazo é formado com a ajuda de um processo de consolidação. Quando você se lembra de um evento, a memória torna-se instável até que seja reconsolidada. Os cientistas na Universidade de Uppsala esperam usar esse processo para apagar memórias emocionais do cérebro.

Os pesquisadores criaram memórias de medo em cobaias, dando-lhes um choque elétrico enquanto olhavam para uma imagem neutra. Um grupo reconsolidou a memória; o outro não. Os investigadores impediram o segundo grupo de reconsolidar a memória ao perturbar o processo com repetidas visões da imagem.

O grupo que não reconsolidou a memória perdeu o medo da imagem. Os pesquisadores então tentaram manipular as memórias do medo durante o sono. Os seus participantes receberam choques elétricos leves enquanto viram duas faces.

Juntamente com o choque, eles também cheiravam um odorante diferente, como limão ou hortelã, para combinar com o rosto e juntar um odor às memórias de medo dos participantes. Em seguida, foi-lhes apresentado um dos odores, mas sem o choque, enquanto eles dormiam. Quando eles estavam acordados, viram ambas as faces novamente.

Eles reagiram com menos medo ao rosto ligada ao odor que tinham cheirado durante o sono. Os pesquisadores acreditam que esses métodos podem acalmar, se não apagar, memórias de medo em pessoas com fobias, ataques de pânico e transtorno de estresse pós-traumático. [Lisverse]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário