Descoberto planeta semelhante a Úrano a 25.000 anos-luz

Descoberto planeta semelhante a Úrano a 25.000 anos-luz

Astrónomos descobriram um planeta a 25.000 anos-luz da Terra que é semelhante a Úrano, gasoso e gelado. O exoplaneta faz parte de um sistema binário.


Os exoplanetas são geralmente comparado à Terra, se forem rochosos, ou a Júpiter se forem gasosos. 

Agora, pela primeira vez, um exoplaneta recém-descoberto parece ser tanto gasoso como gelado, tal como Úrano, embora o novo planeta tenha e quatro vezes a massa de Úrano.

A pesquisa foi liderada por Radek Poleski da Universidade Estadual de Ohio, e o artigo foi publicado no The Astrophysical Journal.


Este planeta, localizado a cerca de 25.000 anos-luz de distância, perto da constelação de Sagitário, orbita uma das estrelas de um sistema binário. Ambas as estrelas são menos massivas do que o nosso Sol, com 0,7 e 0,2 massas solares, respectivamente.

O planeta está a cerca de 18 UA (Unidades Astronómicas) de distância da estrela, muito parecida com distância média de Úrano, de 19 UA do nosso Sol Devido a esta distância e ao tamanho da estrela, o exoplaneta é gelado, assim como Úrano.

A detecção de exoplanetas pode ser complicado porque o brilho da estrela geralmente ofusca toda a luz que reflete de um exoplaneta. A maneira mais fácil de detectar planetas é identificar quando transitam a estrela, bloqueando a luz.

Esta técnica funciona melhor com os planetas mais próximos da estrela e não tanto com os do sistema solar exterior como este "exo-Úrano", que ajuda a dar contexto e importância a esta descoberta. Os astrônomos identificaram o exoplaneta usando uma técnica chamada microlente gravitacional.

Isso ocorre quando a luz de uma estrela distante é dobrada e focada, devido à gravidade de uma estrela entre a fonte de luz e o observador. A luz de um planeta que orbita a estrela também pode tornar-se focada em raras circunstâncias, o que aconteceu com este planeta semelhante a Úrano.

"Só as microlentes podem detectar estes gigantes de gelo que, como Úrano e Netuno, estão longe das suas estrelas. Esta descoberta demonstra que a microlente é capaz de descobrir planetas em órbitas muito largas", disse Poleski em um comunicado de imprensa.

"Tivemos a sorte de ver o sinal do planeta, a sua estrela, e a estrela companheira. Se a orientação tivesse sido diferente, teríamos visto apenas o planeta, e provavelmente teríamos achado que o planeta era errante - flutuando livremente sem estrela".

Úrano e Netuno, o nosso outro planeta gigante gelado, aparecem em azul por causa da grande quantidade de gelo de metano que existe nesses planetas. A lente gravitacional pode ter revelado o exoplaneta mas não fornece qualquer informação sobre a sua composição real.

Mesmo assim, poderia fornecer informações valiosas sobre a formação e localização dos nossos gigantes de gelo, o que os astrónomos têm se esforçado para explicar. Ninguém sabe ao certo por que Úrano e Netuno estão localizados na periferia de nosso sistema solar.

Os modelos científicos sugerem que eles devem ter-se formado mais próximo do sol, mas foram empurrados por Júpiter e Saturno para mais longe. Talvez a existência deste planeta esteja ligado à interferência da segunda estrela. [iflscience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário