Conheça a galáxia mais distante já encontrada

Conheça a galáxia mais distante já encontrada

Os astrónomos descobriram a galáxia mais distante do universo conhecido. A galáxia recém-descoberta, conhecida como EGSY8p7, fica a cerca de 13,2 bilhões de anos-luz da Terra.



Os astrónomos estão agora a verificar que a massa de estrelas que a compõe já existia a apenas 600 milhões de anos após o Big Bang, que criou o universo.

Nenhuma outra galáxia descoberta pode fornecer uma janela tão profunda do passado remoto do universo, afirmam os membros da equipa de estudo, que usou um espectrógrafo infravermelho no Observatório Keck no Havaí para fazer a descoberta.

Basicamente, a descoberta passou por detetar "linha de emissão Lyman-alfa" do EGSY8p7 - que é, em termos simples, o gás de hidrogénio aquecido pela radiação ultravioleta a partir do streaming de estrelas recém-nascidas na galáxia.

Ver uma linha de Lyman-alfa a uma distância tão grande surgiu como uma surpresa para os pesquisadores. "Nós frequentemente vemos a linha de emissão Lyman-alfa do hidrogénio em objetos próximos, sendo um dos marcadores mais confiáveis ​​de formação de estrelas", disse Adi Zitrin, do Instituto de Tecnologia da Califórnia e um dos principais autores do estudo.

"No entanto, à medida que penetramos mais fundo no universo e, portanto, voltamos a tempos anteriores, o espaço entre as galáxias contém um número crescente de nuvens escuras de hidrogênio, que absorvem esse sinal". O resultado inesperado pode lançar uma nova luz sobre como o universo evoluiu na sua juventude, disseram os pesquisadores.

Por exemplo, os astrónomos pensam que o universo era desprovido de emissões Lyman-alfa até cerca de 400 milhões de anos após o Big Bang, altura em que o hidrogénio foi difundido. Mas depois as coisas começaram a mudar, com as primeiras galáxias formadas a radiação das suas estrelas começaram a dividir o hidrogénio nos seus constituintes protões e electrões.

Este processo, conhecido como "reionização cósmica", provavelmente passou gradualmente, com o hidrogénio a ser queimado em numerosas bolhas localizadas, mas sempre em expansão, disseram os pesquisadores. Essas bolhas, eventualmente, encontraram-se e sobrepuseram-se, tornando o universo transparente à luz Lyman-alfa.

A detecção de emissão Lyman-alfa de EGSY8p7 sugere que o processo de reionização estava longe de ser uniforme, com alguns trechos de espaço a serem libertados de hidrogénio muito mais rapidamente do que outros (talvez porque as estrelas recém-nascidas em tais regiões foram excepcionalmente poderosas), disseram os pesquisadores.

"Em alguns aspetos, o período de reionização cósmica é a peça final que faltava na nossa compreensão geral da evolução do universo", disse Zitrin. "Além de empurrar a fronteira para uma época em que o universo tinha apenas 600 milhões de anos, o que é emocionante sobre a presente descoberta é que o estudo das fontes, tais como EGSY8p7 vai oferecer novos insights sobre como esse processo ocorreu". O estudo será publicado em breve na revista Astrophysical Journal Letters.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

4 comentários: