Como é a realidade para os cegos?

0

http://www.ciencia-online.net
Paulo Gabias nunca viu uma mesa. Ele nasceu prematuro e ficou cego logo em seguida, provavelmente por causa da superexposição ao oxigénio na sua incubadora. No entanto, Gabias não tem problemas para perceber a mesa ao lado dele. "A minha imagem da mesa é exatamente o mesmo que uma mesa", disse ele. "Ela tem altura, profundidade, largura, textura, posso imaginar a coisa toda de uma só vez. Ela só não tem cor".

Se você tiver problemas para a construção de uma imagem mental de uma mesa que não tem cor - nem mesmo preto ou branco - isso é provavelmente porque você está cego pela sua capacidade de ver. Pessoas que enxergam visualizam o mundo circundante através da detecção de fronteiras entre áreas ricas em diferentes comprimentos de onda de luz, o que vemos como cores diferentes. Gabias, como muitas pessoas cegas, constrói imagens utilizando o seu sentido de toque, e por ouvir os ecos de cliques de sua língua e de sua bengala como esses sons repercutem objetos em seu entorno, uma técnica chamada de ecolocalização.

Gabias é professor associado de psicologia na Universidade de British Columbia, que conduz pesquisas sobre aspectos perceptivos e cognitivos da cegueira. A sua experiência pessoal e profissional leva-o a acreditar que os cérebros de pessoas cegas contornam a falta de informação visual, e encontram outras maneiras de conseguir o resultado: um mapa detalhado em 3D do espaço. Os neurocientistas acreditam que a região do cérebro que normalmente pensamos como o córtex "visual", em vez de ser deixado a definhar, desempenha um papel chave no processo de mapeamento mental dos cegos. 

Em pessoas com visão, a informação visual vai primeiro para o córtex visual, que está localizado no lobo occipital, na parte de trás do cérebro. De lá, ele vai para o lobo parietal, por vezes referido como o "sistema onde" porque gera conscientização da localização de um objeto percebido. Em seguida, a informação é encaminhada para o lobo temporal, também conhecido como o "sistema de que" porque identifica o objecto. Evidências de recentes experiências de imagem cerebral indicam que o cérebro das pessoas cegas aproveitam este mesmo circuito neural. "Quando as pessoas cegas lêm Braille, ao usar o toque, os dados sensoriais são enviados e processados ​​no córtex visual", disse Morton Heller, psicólogo que estuda a cognição espacial e a cegueira na Eastern Illinois University. 

Para cegos que são adeptos a ecolocalização, informações sonoras são também processadas através do córtex visual. Os seus cérebros usam ecos para gerar mapas espaciais, que são às vezes tão detalhados que permitem até praticar desporto e com segurança explorar novos ambientes. De fato, no ano passado, pesquisadores canadianos descobriram que mesmo quando os especialistas de ecolocalização cegos ouviam gravações de áudio dos seus estalidos de língua a ecoar objetos diferentes, eles poderiam facilmente identificar os objetos que estavam presentes no momento das gravações. Exames com ressonância magnética funcional (fMRI) mostraram atividade nas áreas dos seus cérebros associadas com o processamento visual. Por outras palavras, as varreduras do seu cérebro assemelhavam-se aos de uma pessoa com visão a identificar um objeto numa foto.

Claramente, a detecção de contrastes visuais é apenas um método entre muitos, para perceber a realidade. Mas ao tentar imaginar um mundo percebido através da audição ou tacto, a pessoa tende a ter ecos de imagens automaticamente e texturas a gerar uma imagem visual construída a partir de contrastes entre claro e escuro. Gabias não pode conceber a luz e a escuridão. Então, o que, exatamente, são as suas imagens mentais?

"Apenas percebo a mesa, nós não temos ideia do que o nosso cérebro está a fazer Nós só percebemos -.... Que é a coisa maravilhosa sobre isso tudo, que se tornou complicado de explicar, mas simples de fazer. Você não sabe como você percebe. Você acabou de fazer isso", disse ele. "Se você sabe que as pessoas cegas sabem onde colocar os pratos na mesa, e você sabe que as pessoas cegas lidam com mesas exactamente da mesma maneira que você faz, então você presume que eles imaginam-nas da mesma forma que você faz. Você tem que presumir que o que está dentro de suas cabeças é como a sua. "


Temas

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)