Lago enterrado da Antártica tem pistas para a vida


http://www.ciencia-online.net/2013/01/lago-enterrado-da-antartica-tem-pistas.html
Os cientistas têm os primeiros sinais de vida a partir de um lago preso debaixo de toneladas de gelo da Antártida.

A água recuperada do lago subglaciar Whillans contém pequenas células, e eles respondem ao corante sensível ao ADN, relatou a Discover Magazine. Este teste inicial é um bom prenuncio para a suposição do lago poder abrigar vida. Outras experiências na Antártida irão revelar se as células microscópicas são verdadeiramente vivas.

Trabalhando a partir de contentores estacionados acima do lago, uma equipa de cientistas dos EUA retirou as suas primeiras amostras de lama e água esta segunda-feira, fazendo com que o projeto WISSARD (nome com o qual foi batizado) tivesse sucesso. "Este esforço marca o primeiro sucesso de recuperação de amostras limpas inteiras a partir de um lago subglacial da Antártida", escreveram os pesquisadores.

O lago Whillans fica a 2.625 pés (800 metros) abaixo da camada de gelo da Antártida Ocidental. O esforço dos EUA foi uma das três tentativas durante este verão austral para perfurar lagos enterrados na Antártida. Os outros foram no Lago Vostok Ellsworth e Lake. Dos três lagos, o Whillans estava mais próximo da superfície, por mais de uma milha (dois quilômetros).

A missão ao lago Ellsworth, pela Grã-Bretanha, foi cancelado quando as dificuldades técnicas impediram que os perfuradores atingissem a água [veja aqui]. A missão russa que liderou os esforços no lago Vostok encontrou material orgânico no ano passado, mas determinou-se que teria vindo do fluido de perfuração [veja aqui]. Os resultados da expedição deste ano ao Vostok ainda não foram anunciados.

Embora o lgao Whillans esteja enterrado no gelo, não é tão isolado como os lagos mais profundos, como o Ellsworth e o Vostok. Correntes que fluem entre o fundo do gelo e as rochas trazem água fresca, lodo e areia para a bacia do Whillans. Mas os pesquisadores do WISSARD acham que o pequeno lago (com apenas 1,2 milhas quadradas, ou 3 km quadrados, em área) não teve contato direto com a atmosfera durante muitos milhares de anos.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário