Homem com furo no estômago revolucionou a medicina


http://www.ciencia-online.net/2013/04/homem-com-furo-no-estomago-revolucionou.html
Um homem cujo ferimento de bala criou uma janela no seu estômago permitiu aos cientistas entenderem a digestão. Mas o paciente, um caçador de peles chamado Alexis St. Martin, também transformou o modo como os fisiologistas estudaram o corpo, sugere uma nova pesquisa.

Antes disso, os médicos normalmente decidiam que havia algo de errado com um paciente ou como uma função corporal trabalhava - muitas vezes com base em ideias médicas de Galeno com 1.600 anos de idade - antes mesmo de verem algo de errado.

Os resultados foram apresentados terça-feira (23 de abril) na conferência Experimental de Biologia de 2013, em Boston, Massachusetts (EUA). O fisiologista William Beaumont, um médico do exército, estava estacionado em Fort Mackinac em Mackinac Island, Michigan, a 6 de junho de 1822, quando a arma de um caçador de peles descarregada acidentalmente disparou contra o estômago do caçador de 19 anos Alexis St. Martin.

A ferida foi sangrenta e não era esperado que St. Martin sobrevivesse a essa noite. "Ele tinha um pulmão a sair pela sua ferida", disseram os pesquisadores. No entanto, surpreendentemente, Beaumont realizou várias cirurgias anti-sépticas e sem anestesia em St. Martin ao longo de vários meses, e St. Martin finalmente recuperou.

St. Martin ficou farto de cirurgias e ficou com uma fístula, um buraco no seu estômago através da parede abdominal, que deixou aberta para ver. (O fortevácido do estômago essencialmente desinfectou a ferida por dentro e por fora, tornando seguro o buraco)

Porque St. Martin não poderia mais trabalhar como caçador de peles, Beaumont contratou-o como trabalhador braçal. A tarefa diária de limpeza a fístula deu-lhe uma ideia: talvez ele pudesse observar o processo de digestão em trabalho.

Assim, nos próximos anos, Beaumont registou tudo o que aconteceu no estômago de St. Martin, em seguida, cuidadosamente descreveu o que se passava no interior. Ele também tirou amostras de secreções gástricas e enviou-as para os químicos para análise - algo inédito no momento.

As suas observações precisas levaram-no a concluir que o ácido clorídrico forte do estômago, junto com um pouco de movimento, desempenharam papéis fundamentais na digestão, ao invés do estômago moer alimentos, tal como alguns fisiologistas da época acreditavam.

"Ele foi o primeiro a observar os processos digestivos a acontecer em tempo real", disseram os pesquisadores. Ele também foi o primeiro a perceber que a digestão de St. Martin diminuiu quando ele estava febril, fazendo a primeira ligação entre os processos digestivos e doenças, disse Rogers.

Os resultados pavimentaram o caminho para a fisiologia moderna, onde as observações são conclusões guiadas, e não vice-versa. O estudo também marcou o início de algumas das primeiras experiências com animais controladas por fisiologistas que perceberam que poderiam avançar mais rapidamente através da realização de operações de fístula em animais.

Por exemplo, as experiências de Beaumont inspiraram o famoso fisiologista russo Ivan Pavlov a conduzir operações de fístula em cães. Foi essa janela para a digestão que impulsionou Pavlov a fazer as suas conclusões famosas de que o condicionamento clássico poderia estimular os cães a salivar na hora.

St. Martin, por sua vez, viveu até à idade madura de 83, voltando à captura de pele por um tempo e, eventualmente, tornar-se um fazendeiro. "Esse cara estava em excelentes condições", concluíram os pesquisadores.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários: