Como o cérebro rastreia objetos em movimento


http://www.ciencia-online.net/2013/05/como-o-cerebro-rastreia-objetos-em.html

Quando um jogador de beisebol acerta um home run numa bola rápida a 100 mph, como pode o cérebro do batedor rastrear um objeto tão veloz? Os cientistas podem agora ter a resposta.

Num novo estudo, eles descobriram como o cérebro pode prever o caminho de um objeto em movimento, mesmo que vá tão rápido que mal se consiga ver. 

Os cientistas da visão da Universidade da Califórnia, em Berkeley, estudaram a forma como o cérebro processa a informação visual, e está localizado na região específica do cérebro responsável por calcular onde um objeto em movimento provavelmente irá acabar.

Quando os olhos humanos vêem um objeto, leva um décimo de segundo para o cérebro processar a informação, disse Gerrit Maus, um pós-doutorado em psicologia na Universidade de Berkeley e principal autor do novo estudo detalhado a 8 de maio na revista Neuron. Então como é que o cérebro compensar o ligeiro atraso?

"O cérebro não pensa que o objeto está na posição onde o olho nos diz que está", Maus disse LiveScience. "O objeto é deslocado para frente na direção em que ele está se movendo, então estamos realmente prever onde as coisas vão ser". Isso significa que o cérebro percebe os objetos em movimento podem estar mais adiante na sua trajetória do que o que uma pessoa realmente vê com os olhos, explicou.

"O problema fundamental é que o nosso cérebro não funciona em tempo real", disse Maus. "O cérebro realmente funciona bastante lentamente, em comparação com alguns dispositivos eletrónicos, ou computadores que temos hoje. As informações que o cérebro recebe do olho já estão desatualizadas no momento em que chegam ao córtex visual".

Maus e seus colegas estudaram os cérebros de seis voluntários usando ressonância magnética funcional (fMRI), que mede indiretamente a atividade cerebral medindo as mudanças no fluxo de sangue no cérebro. Os cérebros dos voluntários foram escaneados enquanto eles observavam uma ilusão chamada de "efeito flash-arrastar", em que se vê lampejos de mudança de luz sobre um fundo em movimento.

"O fundo está a mover-se ao mesmo tempo, de modo que percebemos que o flash está sendo arrastado pelo movimento", explicou Maus. "O cérebro interpreta o flash como parte do fundo em movimento e, portanto, envolve o mecanismo de predição para mudar a posição do flash". Quando os cientistas compararam os padrões de actividade neuronal, eles descobriram que, em ambos os casos, a actividade ocorreu numa região denominada V5, a qual está localizada na região temporal média do córtex visual - uma zona na parte de trás da cabeça e para o lado.

Isto sugere que a região V5 está envolvida no seguimento de objectos móveis, empurrando-os ao longo de suas trajetórias de modo que uma pessoa, como um jogador de beisebol com a esperança de bater uma bola, não está constantemente a processar informações desatualizadas, disseram os pesquisadores.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário