Descobertos os maiores vírus de sempre

Descobertos os maiores vírus de sempre


Vírus gigantes, mais de duas vezes maiores do que os vírus conhecidos, já foram descobertos em lodo de todo o mundo, dizem os pesquisadores.

Mesmo vírus mais titânicos podem estar à espera de serem descobertos, afirmam os cientistas, e eles podem ter características que podem esbater a linha entre a vida e os vírus, que não são considerados seres vivos.

Há dez anos, pesquisadores descobriram acidentalmente o Mimivírus, que até agora era o maior e mais complexo vírus conhecido.

O Mimivírus - um nome derivado de "micróbios que imitam", escolhido porque os vírus tinham quase o tamanho de algumas bactérias - e seus parentes os megavirus podem atingir tamanhos de mais de 700 nanómetros (um nanómetro é um bilionésimo de um metro), e possuem mais de 1.000 genes, características típicas de bactérias parasitas.

Os vírus típicos têm talvez entre 20-300 nanómetros, e muitos vírus, como a gripe ou o HIV, dão-se muito bem somente com 10 ou menos genes. Agora, a equipa de pesquisa que os descobriu desenterrou agora mais dois que são ainda maiores.

A forma destes novos vírus, que lembram antigos frascos gregos, lembram os cientistas do mito da caixa de Pandora, dando aos germes o seu nome - pandoravirus. "A abertura da caixa irá quebrar definitivamente os alicerces do que pensávamos serem vírus", disse o pesquisador Chantal Abergel, diretor de pesquisa do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica em Marselha.

Os novos vírus recordes são visíveis com um microscópio de luz tradicional, tendo um micrómetro total ou milionésimo de metro de tamanho, ou cerca de um centésimo da largura de um cabelo humano. Além disso, cada um possui uma enorme panóplia de cerca de 2500 genes.

"Nós estávamos preparados para encontrar novos vírus na faixa dos 1.000 genes, mas não mais do que dobrar esse número", disse Abergel. "Isso realmente indica que nós não sabemos quais são os possíveis limites". 

Os megavirus, que inicialmente foram confundidos com bactérias, foram descobertos em amebas, e os pesquisadores descobriram pandoravirus também ao olhar para as amebas. Um vírus chamado Pandoravirus salinus, foi descoberto na foz do rio Tunquen ao largo da costa central do Chile, enquanto os outros, chamados dulcis Pandoravirus, morava no fundo de uma lagoa de água doce superficial perto de Melbourne, na Austrália.

Duas a quatro horas após engolirem esses pandoravirus, o núcleo das amebas começou a transformar-se radicalmente, acabando por desaparecer. Quando as amebas finalmente morrem, cada uma liberta cerca de 100 pandoravirus.

As amebas que os pesquisadores utilizaram nas suas experiências provavelmente não são os hospedeiros naturais para esses vírus, mas os principais alvos desses vírus podem ser protozoários ou algas que são tipicamente muito difíceis de manter em laboratórios.

Mais de 93% dos genes pandoravirus não se assemelham a nada conhecido. Isso faz com que as suas origens sejam um mistério - a análise de seus genomas sugere que os pandoravirus não estão relacionados com qualquer família de vírus conhecida.

"Estes vírus têm mais de 2000 novos genes que codificam proteínas e enzimas que fazem coisas desconhecidas", disse Abergel. "Elucidar as suas funções bioquímicas e regulamentares pode ser de grande interesse para aplicações de biotecnologia e biomedicina. Queremos propor um projeto de genómica funcional em larga escala sobre os genomas pandoravirus".

O fato de que os pandoravirus sejam totalmente diferentes da família anteriormente conhecida dos vírus gigantes pode sugerir que ainda mais famílias de vírus gigantes continuem a ser descobertas, disse o investigador Jean-Michel Claverie, chefe do Laboratório de Informação Estrutural e Genómica, em Marselha, França.

"O nosso conhecimento da biodiversidade microbiana no planeta ainda é muito parcial", disse Claverie. "Descobertas enormes continuam a ser feita ao nível mais fundamental que pode mudar o nosso cenário atual sobre a origem da vida e sua evolução".

Continua a ser um mistério a razão porque os pandoravirus têm mais de 2.500 genes, enquanto a maioria dos vírus tem muito menos, disseram os pesquisadores. Uma sugestão controversa que os pesquisadores fazem é que os vírus gigantes e outros vírus que dependem de ADN como o seu material genético podem ser os descendentes encolhidos de antepassados ​​celulares vivos.

Pesquisas futuras poderão transformar "ainda mais as formas de vida intermediárias entre vírus e células, estabelecendo uma continuidade entre os dois", disse Abergel. "Como devemos definir os limites entre as células e os vírus?". Os cientistas detalharam as suas descobertas na edição de hoje (19 de julho) da revista Science.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário