10 alucinantes fatos sobre a Via Láctea

10 alucinante fatos sobre a Via Láctea
Todo o mundo tem uma definição diferente para a palavra casa. Para alguns, é a casa em que vivem, para outros com uma mentalidade mais avançada, casa é o planeta Terra. 

Mas, como uma minhoca que vive num campo de futebol, nós realmente vivemos em algo muito maior do que qualquer um desses locais. Algo tão grande que é impossível compreender em qualquer sentido. 

E não estamos sequer a falar de algo tão grandioso como o universo, falamos apenas da Via Láctea, nossa pequena nuvem de poeira no meio da tempestade de areia infinita da realidade conhecida. Conheça 10 fatos alucinantes sobre a nossa casa galática.

10. O braço de Orion

A Via Láctea é o que uma galáxia espiral barrada - tem o formato de uma espiral com uma barra em frente do seu centro. Cerca de dois terços das galáxias no universo conhecido são espirais, e cerca de dois terços das galáxias espirais são barradas, fazendo da Via Láctea um dos tipos mais comuns de galáxias. Espirais como a Via Láctea têm braços que se estendem para fora do centro como raios de uma roda e se enrolam em seu redor. 

O braço de Orion


O nosso sistema solar está situado no centro de um desses raios - o braço de Orion. O Braço de Orion já foi considerado um 'estímulo', uma saliência menor em comparação com braços principais, como o braço Perseus e o braço Carina-Sagitário. No entanto, tem sido sugerido recentemente que o Orion é realmente um ramo do Braço de Perseu e não se origina no centro da galáxia. O problema é que é difícil realmente obter uma imagem clara da nossa galáxia.

9. Buraco negro supermassivo

O menor buraco negro supermassivo que nós calculamos tem cerca de 200.000 vezes a massa do nosso sol. Nos últimos 10 anos, os astrónomos têm vindo a acompanhar a atividade de estrelas em órbita ao redor de Sagitário A*, a região densa no meio da espiral da nossa galáxia. Com base na forma como essas estrelas estão a mover-se, eles determinaram que no meio de Sagitário A*, escondido atrás de uma espessa nuvem de poeira e gás, está um buraco negro supermassivo.

Buraco negro supermassivo


Quando as estrelas se aproximam do buraco negro supermassivo, elas começam a girar em torno dele a uma velocidade incrível. Uma das estrelas mostradas, S0-2, move-se a 18 milhões de km por hora, com a influência do buraco negro a puxá-lo para perto e a atirá-la para fora do outro lado. E mais recentemente, temos visto uma nuvem de gás a aproximar-se do buraco negro e, em seguida, ser rasgada em pedaços pela enorme força gravitacional do buraco. 

8. Géiseres de partículas

Além de um buraco gigante, o centro da Via Láctea é também o local de uma enorme quantidade de atividade de estrelas que estão a morrer e a nascer a um ciclo constante. E, recentemente, temos visto outra coisa a sair do centro galáctico: um fluxo de partículas de alta energia que se estende por 15 mil parsecs através da galáxia. Isso é mais do que a metade de toda a largura da Via Láctea. 

Géiseres de partículas


Eles são invisíveis a olho nu, mas com imagens magnética, os géiseres de partículas podem ser vistos em quase dois terços do nosso céu. O que está a causar esse fenómeno? Cem milhões de anos de formação de estrelas e a sua decadência, alimentando um jato interminável de braços exteriores da galáxia. A energia total no géiser é mais de um milhão de vezes maior que a de uma supernova e as partículas estão a viajar a velocidades supersónicas.

7. Novas estrelas

Então, quão frequente é o nascimento de uma nova estrela na em nossa galáxia? Essa é a pergunta que o Dr. Roland Diehl e a sua equipa de astrónomos têm tentado descobrir há anos. Eles mapearam a presença de alumínio-26, um isótopo de alumínio que é quase sempre encontrado na região onde uma estrela se forma ou morre. Com base na forma como este alumínio tem deteriorado, eles estimam que a Via Láctea dá à luz sete estrelas por ano. 

Novas estrelas


E cerca de duas vezes por século, uma grande estrela explode em supernova. No reino da atividade galáctica, a Via Láctea não é o maior produtor de estrela, mas é saudável. Quando uma estrela morre, ele vomita matéria como hidrogénio e hélio para o espaço. Ao longo de centenas de milhares de anos, essas partículas reunem-se em nuvens moleculares, que eventualmente se tornam tão densas que o seu centro colapsa sob a sua própria força gravitacional e forma uma nova estrela. 

É como um ecossistema morto que alimenta a vida. As partículas numa determinada estrela eram provavelmente parte de milhares de milhões de outras estrelas em algum ponto. O fato é que a Via Láctea é ativa e impulsiona a sua evolução química levando à formação de novos ambientes e aumentando a probabilidade de planetas semelhantes à Terra surgirem nesse processo.

6. 100 mil milhões de planetas

Apesar de todas as mortes e nascimentos de estrelas na Via Láctea, há uma constante total de cerca de 100 mil milhões de planetas. E com base num novo estudo, acredita-se que há pelo menos um planeta por cada estrela a flutuar, e provavelmente mais. Por outras palavras, há algo entre 100 mil e 200 mil milhões de planetas no nosso canto do universo. 

100 mil milhões de planetas


Os planetas, ao contrário das estrelas, são difíceis de detectar, porque eles não emitem a sua própria luz. A única vez que podemos identificar um planeta com certeza é quando cruza entre a estrela mãe e a Terra, criando uma pequena mancha escura.

5. Milhões de planetas semelhantes à Terra

Cem mil milhões de planetas são muitos planetas, mas quantos desses são semelhantes à Terra? Relativamente falando: não muitos. Existem dezenas de diferentes tipos de planetas gigantes de gás, planetas de pulsar, anãs castanhas, e planetas onde chove metal fundido. Até mesmo os feitos de rocha são geralmente demasiado próximos ou longe da sua estrela para suportar qualquer coisa que se assemelhe à vida, como nós a conhecemos. 

Milhões de planetas semelhantes à Terra


No entanto, os resultados de um estudo recente revelaram que pode haver mais do que se pensava na nossa galáxia - estimando existirem cerca de entre 11 mil e 40 mil milhões. Os pesquisadores usaram uma amostra de 42.000 estrelas semelhantes ao nosso sol, para partir em busca de exoplanetas dentro da lendária "Zona habitável". 

Eles descobriram 603 exoplanetas em torno dessas estrelas, e 10 deles na zona habitável. Analisando os dados das estrelas permitiu aos cientistas deduzir a existência de milhares de milhões de planetas semelhantes que ainda temos de descobrir oficialmente. Teoricamente, estes planetas podem manter as temperaturas adequadas para a água líquida, o que facilitaria a semente da vida.

4. Galáxia canibal

Não importa quantas vezes uma estrela nasce, não há nenhuma maneira da Via Láctea crescer se não for buscar nova matéria a outro lugar. E a Via Láctea está definitivamente a crescer. Apesar de anteriormente não se ter certeza exatamente de como o crescimento estava a acontecendo, descobertas recentes sugerem que a Via Láctea é um canibal - consumiu outras galáxias no passado e provavelmente continuará a fazê-lo, pelo menos até uma galáxia maior aparecer e puxar a Via Láctea. 

Galáxia canibal


Usando o Telescópio Espacial Hubble e as informações de cerca de sete anos de fotos, os pesquisadores descobriram estrelas ao longo da borda externa da Via Láctea, que estavam a mover-se de forma tangencial. Em vez de se mover para perto ou para longe do núcleo da Via Láctea, como qualquer outra estrela, apenas ocorria uma espécie de deriva de lado. 

Acredita-se que esse aglomerado de estrelas seja um remanescente de uma outra galáxia que foi absorvida pela Via Láctea - migalhas que sobraram da sua última grande refeição. Foi uma colisão provavelmente ocorrida há milhares de milhões de anos, e que não será a última a acontecer. No ritmo a que nos estamos a movendo, vamos provavelmente comer a galáxia de Andrómeda daqui a cerca de 4,5 mil milhões de anos.

3. Ondulação da Via Láctea

Embora a Via Láctea seja uma espiral, por definição, não é uma maneira inteiramente correta de pensar sobre isso, uma vez que há realmente uma protuberância no centro da galáxia. A secção deformada é o resultado de moléculas de gás de hidrogénio que se estendem para longe do plano bidimensional da espiral. Os astrónomos foram mistificados pela deformação aparentemente inexplicável. Pela lógica, o gás deve ser puxado em direção ao disco, não para longe dele. 

Ondulação da Via Láctea


Quanto mais eles estudaram, mais profundo o mistério correu - porque as moléculas na urdidura não se estão apenas a afastar, elas estão a vibrar buma frequência própria. O que está a causando isso? Tanto quanto podemos dizer, a matéria escura e um duo de pequenas galáxias conhecidas como as Nuvens de Magalhães. Quando a matéria escura se move por entre as nuvens, cria ondulações que, aparentemente, afetam a sua atração gravitacional sobre a Via Láctea.

2. Galáxia gémea

Enquanto a Via Láctea pode ser única em muitos aspectos, é seguro dizer que ela não é exatamente rara. Já mencionamos que as galáxias espirais são um dos tipos mais comuns no universo, adicione a isso o fato de que há cerca de 170 mil milhões de galáxias visíveis, e não seria exagero imaginar que poderia haver algumas galáxias lá fora muito semelhante à nossa. Mas existirá alguma que é quase uma réplica exata da nossa? Em 2012, os astrónomos descobriram uma galáxia que partilha uma semelhança com tudo o que sabemos sobre a Via Láctea. 

Galáxia gémea


Ela até tem duas galáxias pequenas satélite a orbitá-la, perfeitamente correspondente às nossas próprias Nuvens de Magalhães. E isso é raro, apenas 3% das galáxias espirais têm galáxias companheiras assim, e elas não duram muito tempo. As Nuvens de Magalhães, provavelmente dissipam-se em poucos milhares de milhões de anos, uma tarde agradável na escala de tempo cósmica. Para encontrar uma outra espiral barrada com um supermassivo buraco negro no centro que também tem duas galáxias satélites do mesmo tamanho é altamente improvável.

Chama-se NGC 1073, e é tão semelhante que os astrónomos estão realmente a usá-la para aprender mais sobre a nossa própria galáxia. Uma vez que estamos muito profundamente enraizados para qualquer tipo de perspectiva sobre a Via Láctea, NGC 1073 dá-nos essa visão top-down que nós sempre precisamos para estudar totalmente a nossa própria vizinhança.

1. Uma órbita de 250 milhões de anos

Na Terra, um ano é determinado pela quantidade de tempo que leva o planeta a orbitar o sol. A cada 365 dias, estamos de volta a onde começamos, de modo geral. Faz sentido, então, que todo o nosso sistema solar esteja em órbita do buraco negro no centro da Via Láctea. Isso só demora um pouco mais de tempo, aproximadamente 250 milhões de anos, para cada rotação. Por outras palavras, nós fizemos cerca de um quarto de uma única órbita desde que os dinossauros morreram.

Uma órbita de 250 milhões de anos


As descrições do sistema solar raramente mencionam que ele está a girar através do espaço, assim como tudo o resto. Na verdade, estamos a viajar a cerca de 792.000 quilómetros por hora em relação ao centro da Via Láctea. Cada vez que o Sol dá a volta à Via Láctea, diz-se tratar-se de um ano galáctico, ou ano cósmico. Estima-se que houve apenas 18 anos galácticos na história do nosso sol. [Listverse]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

7 comentários:

  1. Puuutzz. Apenas 18 anos galacticos...

    ResponderEliminar
  2. 100 mil milhoes?????? novo numero?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. acho que " mil milhões " seria o equivalente ao bilhão

      Eliminar
    2. Falam assim em portugal... eu acho '-'

      pelomenos falam 1 mil...

      Eliminar
  3. Agora o sol ja pode beber e ser preso, abraços

    ResponderEliminar
  4. 100 mil milhões = 100 bilhões para os leigos....
    Matemática básica.

    ResponderEliminar
  5. Muito bom, instrutivo e interessante.

    ResponderEliminar