A história (e os efeitos) de injetar álcool

A história (e os efeitos) de injetar álcool


Quando o álcool chega ao sangue eventualmente acaba no cérebro. Mas não importa se ele passa ou não pelo estômago? E pode o álcool injetado ser tão ruim assim tendo em conta que no passado foi usado como intervenção médica? Sim, pode.

Em 1891, uma das primeiras cirurgias cardíacas no mundo salvou um homem que havia sido esfaqueado numa briga de rua. A faca tinha rasgado o pericárdio do homem, a membrana que envolve o coração, e ele estava a morrer. 

O Doutor HC Dalton tirou parte da costela do homem e suturou-lhe o pericárdio. As coisas pareciam ruins, por um tempo, mas eles injetaram homem com um pouco de uísque, facto que parecia ajudá-lo. Mas... parecia apenas.

Atualmente, os médicos já não injetam whisky nos pacientes, mas as pessoas fazem-no. Um estudo, feito numa instalação que ajudou viciados em drogas a passar por desintoxicação, descobriu que alguns pacientes internados injetaram álcool algumas vezes por mês ao longo de anos. 

Um homem fazia-o porque queria evitar o cheiro de álcool no seu hálito. Outros dois também eram viciados em heroína e gostavam da sensação da agulha. Quando as pessoas bebem, muitas vezes tornam-se instantaneamente desinibidas. 

Este não é o efeito do álcool, as pessoas querem estar bêbedas, então agem como se estivessem, mas leva aproximadamente entre 20 minutos a uma hora para o álcool ser absorvido para o seu sistema através do estômago. 

No entanto, a injeção de álcool coloca todo o álcool na corrente sanguínea de imediato, sendo que você fica bêbado imediatamente. Tal facto também pode ser fatal. Quando as pessoas bebem em excesso, há basicamente uma corrida entre o seu estômago e fígado. 

O estômago coloca álcool no seu sistema. O fígado leva-o para fora. Uma hora de tempo pode dar ao corpo um bom colchão e evitar intoxicação por álcool. Uma injecção imediata não fornece o mesmo espaço de respiração.

Mais importante, lembre-se que um pouco de uísque não foi usado para esterilizar qualquer coisa fora de instrumentos cirúrgicos enferrujados em westerns de cinema dos velhos tempos. Os filtros do corpo colocam para fora uma grande quantidade de compostos encontrados no álcool, assim como uma grande quantidade de bactérias que possam contaminar o álcool ou a agulha. 

Colocando essas coisas diretamente nas veias é uma má ideia para quem se quer manter vivo. Como nota histórica, o álcool não era a única coisa que o Dr. Dalton injetava nos seus pacientes. Ele também os injetava com estricnina, que era considerado um estimulante saudável. Claramente, ser apunhalado era bem mais seguro do que passar pelo tratamento médico, naquela altura [io9]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

4 comentários: