Maior ilusão de ótica do Universo engana astrónomos

Maior ilusão de ótica do Universo engana astrónomos
Durante anos, os astrónomos pensavam que uma galáxia a flutuar a 100 milhões de anos luz de distância era um único objeto celeste – uma galáxia espiral com um jato colossal a ser libertado para longe dela. Mas tudo não passava de uma ilusão de ótica.

Em um comunicado divulgado pela NASA, a agência espacial americana reconheceu que “novos dados do observatório Very Large Array (VLA), no Novo México, EUA, revelam que duas galáxias, uma atrás da outra, disfarçaram-se como sendo uma só”.

A mais próxima das duas galáxias, a espiral UGC 10288, está a 100 milhões de anos-luz de distância. Mas, por trás dela, a uma distância surpreendente de 7 mil milhões de anos-luz, fica uma galáxia parcialmente obscurecida que está a disparar dois jatos gigantes – mas apenas um pode ser visto.

Imagens de rádio anteriores das duas galáxias faziam com que as duas galáxias parecessem uma nuvem difusa, fazendo os astrónomos pensarem que eles estavam a olhar para uma única galáxia. Mas, graças ao VLA, os cientistas agora podem espreitar por trás desse disco galáctico. 

"Nós podemos usar as ondas de rádio a partir da galáxia de fundo, como uma forma de medir as propriedades da galáxia mais próxima", observou a astrónoma canadiana Judith Irwin. Ela é a principal autora de um artigo recente sobre os resultados, que agora aparecem online no Astronomical Journal. [io9]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário