Elemento essencial para a vida encontrado em remanescente de supernova

0
Elemento essencial para a vida encontrado em remanescente de supernova
O fósforo - um dos elementos essenciais para a vida - foi descoberto nos restos cósmicos de uma explosão de uma estrela pela primeira vez, dizem cientistas.

A descoberta é uma das duas descobertas de elementos no espaço profundo, que pode dar aos cientistas pistas sobre como a vida é possível no universo, disseram os pesquisadores. 

A segunda descoberta por uma segunda equipa de cientistas encontrou vestígios de gás argónio numa nebulosa distante.

A vida como a conhecemos depende de uma combinação de muitos elementos, principalmente carbono, nitrogénio, oxigénio, enxofre e fósforo. 

Enquanto os cientistas têm encontrado uma ampla abundância dos primeiros quatro elementos em outras explosões de estrelas, novas observações da supernova Cassiopeia A revelou a primeira evidência de fósforo.

"Estes cinco elementos são essenciais para a vida e só podem ser criados em estrelas massivas", disse Dae-Sik Moon, astrónomo da Universidade de Toronto e co-autor do estudo que encontrou fósforo em Cassiopeia A. 

A pesquisa aparece detalhada na edição de 12 dezembro da revista Science, juntamente com o estudo separado do gás argónio. "Eles estão espalhados por toda a nossa galáxia quando a estrela explode, e tornam-se parte de outras estrelas, planetas e, finalmente, seres humanos", acrescentou Moon.

Os cientistas estimam que a Cassiopeia A é uma remanescente de supernova que explodiu há 300 anos. As novas observações do objeto foram feitas com um espectrógrafo montado num telescópio de 5 metros no Observatório Palomar do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

No segundo estudo da revista Science os cientistas revelaram a primeira descoberta de moléculas de um gás nobre - um gás que não é muito reativo - no espaço usando o Observatório Espacial Herschel da Agência Espacial Europeia.

Os astrónomos observavam a Nebulosa do Caranguejo com luz infravermelha quando descobriram a "impressão digital química" de iões de argónio de hidretos. A Nebulosa do Caranguejo representa restos cósmicos de uma explosão de supernova descrita pela primeira vez por astrónomos chineses no ano de 1054.

Quando certos tipos de estrelas de grande massa ficam sem combustível para queimar, eles explodem em supernovas. A destruição da estrela normalmente deixa para trás uma nebulosa de gás lentamente a dissipar-se, assim como uma estrela remanescente, também chamada de estrela de neutrões.

Na Nebulosa do Caranguejo, os iões provavelmente surgiram devido à sua estrela de neutrões enviar energia que energizava o argónio na nebulosa. O argónio, então, conectava-se às moléculas de hidrogénio para formar os iões de argónio hidreto, disseram os cientistas. [Space]
Temas

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)