Perseverança humana ligada a região do cérebro

0
Perseverança humana ligada a região do cérebro
A vontade de uma pessoa atravessar momentos difíceis e superar os obstáculos pode ser proveniente de uma pequena rede de neurónios, perto do centro do cérebro, sugere um novo estudo.

A rede está localizada no fundo da parte frontal do cérebro, perto do ponto de encontro dos hemisférios direito e esquerdo. 

Encontra-se dentro de uma região chamada córtex mesocingulado anterior, que é conhecido por estar amplamente envolvido na emoção, dor e tomada de decisões - particularmente decisões orientadas para objetivos - embora os detalhes de como ele funciona permaneçam obscuros.

Agora, pesquisadores da Universidade de Stanford descobriram que esta área do cérebro parece desempenhar um papel importante no que os pesquisadores chamam de "vontade de perseverar", que justifica que as pessoas se esforçem para alcançar um objetivo, apesar de problemas graves.

Eles depararam-se com esta descoberta por acidente, ao enviar cargas elétricas para o cérebro de duas pessoas com epilepsia, num esforço para localizar a origem das suas convulsões, de acordo com Vinitha Rangarajan, co-autor do estudo.

Quando os investigadores inseriram uma sonda de eléctrodos no córtex mesocingulado anterior de cada paciente, e estimularam essa região do cérebro, a carga eléctrica não produziu convulsões - indicando que esta região era saudável nos dois indivíduos. 

Mas tal estimulação aumentava as taxas cardíacas dos pacientes ligeiramente e induzia ondas de calor suave, uma reação não causada ao estimular outras partes do cérebro. Quando lhe pediram para descrever as suas emoções durante estas cargas elétricas, os pacientes disseram que sentiam ansiedade e preocupação, mas enfatizaram que as emoções não foram negativas. 

Pelo contrário, eles sentiram-se confiantes e motivados para enfrentar o problema em questão. Por exemplo, um paciente relatou sentir-se como se estivesse num carro, indo em direção a uma tempestade, e precisava descobrir como escapar, descreve o relatório publicado a 5 de dezembro na revista Neuron.

Nenhum dos pacientes sentiu tais emoções quando foram estimulados com uma um choque falso sem qualquer tensão, disseram os pesquisadores. Os pesquisadores mapearam os cérebros dos pacientes através de imagem de ressonância magnética funcional (fMRI), que revela o fluxo sanguíneo e a atividade do cérebro. 

Eles descobriram a atividade do cérebro foi agravada dentro de uma rede que conecta o córtex mesocingulado anterior a outras regiões do cérebro, sugerindo que esta região pode ser a raiz de tanta emoção.

No entanto, as novas descobertas são limitadas porque os pesquisadores analisaram apenas dois pacientes. Embora os resultados sejam animadores, os pesquisadores não podem tirar conclusões definitivas a partir deles sobre a função desta região do cérebro.

Ainda assim, os pesquisadores disseram que os resultados podem ajudar a determinar a raiz de apatia ou falta de vontade de perseverar em pessoas com certas condições psicológicas, como a demência, e poderiam ajudar a identificar formas de tratamento médico ou terapêutico para estas condições.

Futuramente, a equipa espera conseguir explorar as redes neuronais ligadas ao córtex mesocingulado anterior para melhor identificar a raiz da emoção que os autores descreveram no presente artigo. [Livescience]
Temas

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)