5 maneiras em como os relacionamentos são bons para a saúde

5 maneiras em como os relacionamentos são bons para a saúde
Se você é um apaixonado ou doente de amor, é difícil não pensar em relacionamentos e todos eles são recordados durante esta época do ano. 

Difíceis reservas em restaurantes e rosas do Dia dos Namorados com preços inflacionados, mostram que uma relação de compromisso firme talvez não oferece grandes benefícios. 

No entanto as pessoas mantêm-se firmes e fazem de tudo para se manterem ligadas. Aqui estão cinco maneiras em como os relacionamentos amorosos podem ser bons para a sua saúde.

5. Menos problemas de saúde mental

Casais podem, ocasionalmente, levarem um ao outro à loucura, mas não é literalmente assim. No geral, as pessoas em relacionamentos comprometidos experimentam significativamente menos problemas de saúde mental do que pessoas solteiras, de acordo com um estudo feito pela Universidade Estadual da Flórida em 2010, que estudou 1.621 estudantes universitários.

De fato, o estudo mostrou que aqueles que não estão em relacionamentos comprometidos e que tiveram mais parceiros apresentaram mais problemas de saúde física e mental. A mesma tendência também pode ser encontrada em adultos pós-universitários.

Em comparação com aqueles em relacionamentos, os homens e as mulheres solteiras têm níveis relativamente mais elevados de depressão, ansiedade, transtornos do humor, problemas de ajustamento, comportamento suicida e outras formas de sofrimento psíquico, segundo uma revisão de 2002, no American Journal of Sociology.

O estudo também mostrou que os homens e mulheres em relacionamentos experimentam benefícios iguais em termos de saúde mental. No entanto, o autor reconheceu que a saúde mental é provavelmente uma consequência e uma causa do relacionamento.

4. Redução da dor

"O amor dói", diz o senso comum. No entanto, a pesquisa mostrou que na realidade é o oposto que é verdadeiro: o amor pode realmente ajudar a anestesiar a sua dor. Um estudo de 2010 publicado na revista PLoS ONE analisou a relação entre o alívio da dor, os sentimentos de amor romântico e a ativação dos sistemas de recompensa no cérebro.

Os resultados mostraram que uma imagem da amada distrai da dor, mas uma imagem de outra pessoa de igual atratividade não é tão útil. Imagens de seus cérebros usando ressonância magnética funcional (fMRI) confirmou que enquanto se olha para fotos do parceiro romântico, experimenta-se um aumento da actividade em regiões de processamento de recompensa do cérebro, e diminuição da atividade em regiões de processamento de dor.

3. Redução do stress 

É fácil supor que um relacionamento romântico de baixa manutenção e sem dramas deve ser relativamente livre de stress. De facto, há estudos a apoiar isso. Estudos recentes descobriram que pessoas solteiras são mais propensas a stress psicológico do que aqueles que são casados ​​ou têm um relacionamento estável.

O estatuto do relacionamento pode afetar a produção de cortisol, uma hormona do stress, durante os eventos stressantes, de acordo com um estudo de 2010 da Universidade de Chicago e da Universidade Northwestern, nos EUA. 

Um estudo de 2008 no Journal of Family Psychology descobriu que as mulheres com cônjuges mais apoiantes eram melhores a tolerar tensões de relacionamento. Os pesquisadores também sugerem que os parceiros que estão satisfeitos com a sua relação estão em melhor posição para dar apoio quando o outro parceiro passa por eventos stressantes.

2. Vida mais longa

Estudos longitudinais e dados de censos mostram que os adultos solteiros apresentaram uma maior probabilidade de morte prematura do que aqueles que são casados ​​e vivem com os seus cônjuges. Um estudo de 2000 descobriu que as pessoas não-casadas tinham um risco significativamente aumentado de morte.

Na verdade, um estudo de 2011 publicado por pesquisadores da Universidade de Pensilvânia, no Journal of Aging and Health descobriu que estar continuamente casado (ao contrário de estar continuamente solteiro ou a transitar entre a separação e o divórcio) conduzia a uma vida mais longa entre os homens.

1. Felicidade 

Alguns casais apaixonados parecem deleitar-se em mostrar como estão felizes. Eles realmente são mais felizes do que os solteiros. Estudos têm demonstrado que, quando olhamos para o rosto de alguém que somos verdadeiramente apaixonados certas áreas do cérebro são ativadas. 

Num estágio inicial, o intenso amor romântico pode ativar certas áreas ricas em dopamina no cérebro, de acordo com um estudo de 2005 no Journal of Neurophysiology. Estas áreas estão associadas à recompensa, desejo, vício e estados de euforia. 

Na verdade, uma dessas áreas, o cingulado anterior, é responsável pelo pensamento obsessivo, cognição e emoção associada ao amor. Curiosamente as imagens de ressonância magnética mostram que um cérebro apaixonado é ligeiramente diferente de um cérebro excitado. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário