Mamografias não reduzem mortes por cancro da mama

Mamografias anuais em mulheres de meia-idade não reduzem as mortes por cancro da mama.
Mamografias anuais em mulheres de meia-idade não reduzem as mortes por cancro da mama. Estes testes são, essencialmente, tão bons quanto o exame físico por si só, de acordo com um novo estudo no Canadá.

O estudo, que incluiu cerca de 90.000 mulheres com idades entre os 40 e os 59 anos, é o último a questionar o valor da mamografia de rotina.

Os pesquisadores descobriram que o mesmo número de mulheres morreu de cancro da mama com mais de 25 anos, independentemente de terem sido submetidas a mamografias anuais ou não.

A mamografia é realizada rotineiramente para rastrear cancro da mama nas mulheres, com o objetivo de fazer um diagnóstico precoce. No entanto existe um grande debate se este rastreio salva ou não vidas.

Em alguns casos, a detecção precoce não significa necessariamente que o cancro possa ser curado, e noutros, os tratamentos funcionam mesmo se o cancro for descoberto em fases posteriores. Também é controverso se os potenciais benefícios de mamografias superam os danos causados ​​pelo excesso de diagnósticos e tratamento excessivo.

O novo estudo descobriu que cerca de 22% dos cancros da mama detectados por mamografias eram sobrediagnosticados, ou seja, as mamografias revelavam tumores que não provocavam sintomas da doença, e não teriam reduzido o tempo de vida de uma mulher se não fossem identificados.

As novas descobertas sugerem que "a justificativa para o rastreio por mamografia deve ser urgentemente reavaliada pelos formuladores de políticas", escreveram os pesquisadores no seu estudo publicado a 11 de fevereiro, no British Medical Journal (BMJ).

"A maioria dos cancros da mama são detectados pela mamografia, mas se este é ou não benéfico agora tornou-se muito polémico", disse o pesquisador Anthony Miller, professor emérito da Universidade de Toronto.

Os estudos que tinha sugerido a importância da triagem na redução das mortes por cancro da mama foram realizados antes dos tratamentos modernos se tornarem disponíveis. "Se você é capaz de curar cancros por meio de tratamento, não importa em que fase eles estão, não há nenhuma função para a seleção", disse Miller. 

"Assim como o tratamento melhora, a contribuição de triagem recebe cada vez menos importância" acrescentou. Ainda assim, é importante para as mulheres que são suspeitas de ter algo no peito, um possível nódulo ou distorção, consultarem um médico. 

"Esse é o momento em que a mamografia pode de fato ser muito informativa enquanto ferramenta de diagnóstico", disse Miller. Num editorial de acompanhamento, Mette Kalager, cirurgiã de cancro da mama e ex-chefe do Rastreio do Cancro da Mama norueguês, escreveu que os resultados do estudo não suportam a triagem de mulheres com menos de 60 anos de idade.

No entanto, alterar as políticas pode não ser uma tarefa fácil, porque os governos, entidades financiadoras e médicos podem ter interesses comuns, disse ela. As diretrizes de rastreio do cancro da mama diferem entre países e até mesmo entre organizações.

O Preventive Services Task Force aconselha mulheres com idades entre 50 e 74 anos a fazer mamografias a cada dois anos, enquanto que a American Cancer Society recomenda o rastreio anual a partir dos 40 anos de idade.

No estudo, metade das mulheres foram submetidas a mamografias anuais, juntamente com exames anuais físicos da mama, durante cinco anos. A outra metade recebeu apenas exames físicos e cuidados habituais.

Após 20 anos, 3.250 mulheres do grupo da mamografia e 3.133 do grupo de controle tinha sido diagnosticadas com cancro da mama; 500 mulheres do grupo de mamografia e 505 mulheres do grupo controle acabaram por morrer de cancro da mama.

Os resultados também sugerem que uma em cada 424 mulheres que se submeteram a mamografias foram falsamente diagnosticados como tendo cancro da mama. O estudo incluiu apenas mulheres com menos de 60 anos, mas é possível que as descobertas se aplicam a mulheres mais velhas, afirma Miller. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário