Cientistas imprimem vasos sanguíneos em 3D

0
Cientistas imprimem vasos sanguíneos em 3D
Pesquisadores estão a um passo de criar vasos sanguíneos artificiais que podem ser transplantados em seres humanos.

Ao longo da última década, os cientistas tornaram-se muito melhor a produzir órgãos artificiais, mas eles continuamente se esforçaram na criação de vasos sanguíneos.

Os vasos sanguíneos precisam ser flexíveis e capazes de fornecer nutrientes essenciais, quando implantados em pacientes, fato que dificulta a sua criação.

Mas, agora, pesquisadores do Brighman and Woman Hospital, nos EUA, usaram uma nova técnica para bioimprimir vasos sanguíneos 3D que podem ser integrados no corpo humano para ajudar a reparar danos de acidentes ou doenças.

Os resultados foram publicados online na revista Lab on a Chip. Para fazer os vasos sanguíneos, os pesquisadores primeiro imprimiram em 3D um modelo de fibra de agarose que criaria os canais "dentro" dos vasos sanguíneos.

Cientistas imprimem vasos sanguíneos em 3D


Eles, então, cobriram isso com uma substância gelatinosa chamada hidrogel, explicou um comunicado de imprensa. A abordagem envolve a impressão de fibras de agarose que se fazem os canais dos vasos sanguíneos.

Mas o que é único sobre essa nova abordagem é que os modelos de fibra impressos são fortes o suficiente que podem ser fisicamente removidos para fazer os canais, afirma Khademhosseini. Isso evita ter de dissolver as camadas do molde.

Usando essa abordagem, a equipa foi capaz de usar o hidrogel para a construção de redes de microcanais com características arquitetónicas necessárias, bem como uma funcionalidade superior, tais como transporte de massa e viabilidade celular.

Mais importante ainda, os pesquisadores conseguiram crescer com sucesso finas camadas de células endoteliais, que revestem os vasos sanguíneos no corpo humano, através do hidrogel. No futuro, a tecnologia de impressão 3D pode ser usada para desenvolver tecidos para transplante.

Tais tecidos para transplante poderão ser customizados às necessidades de cada paciente, ou ser usado fora do corpo para desenvolver medicamentos que sejam seguros e eficazes, afirma Khademhosseini. [Sciencealert]
Temas

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)