10 piores catástrofes naturais dos últimos 40 anos

Um estudo recente feito pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) mostra que entre 1970 e 2012, ocorreram 8.835 desastres naturais relacionados a mudanças no tempo e no clima.

Esses desastres levaram à morte de quase 2 milhões de pessoas em todo o mundo. No entanto, mais de metade das mortes podem ser atribuídas a apenas 10 tragédias.

Veja a seguir quais foram as catástrofes naturais mais mortais e onde elas causaram mais dor e ruína.

1. Seca na Etiópia (1983) - 300 mil mortos


A seca mais fatal na Etiópia provocou imagens que chocaram o mundo: crianças, homens e mulheres esqueléticos, vítimas da fome que tomou conta do país após a quebra das safras agrícolas. O número escandaloso de óbitos foi atribuído à demora do governo em agir e também à leniência de outras nações em prestar socorro.

2. Ciclone no Bangladesh (1970) - 300 mil mortos


Em novembro de 1970, um poderoso ciclone de nome Bhola inundou muitas ilhas no Delta do Rio Ganges, destruindo inúmeras aldeias e plantações. A cidade mais afetada foi Thana de Tazumuddin, onde 45% de sua população morreu. Na época, os danos económicos foram estimados em US$86,4 milhões.

3. Seca no Sudão (1984) - 150 mil mortos


Num lugar onde mais de 80% da população mora no campo e depende da agricultura e criação de animais para sobreviver, a escassez de água é uma tragédia anunciada. A grande seca de 1984, no Sudão, levou à fome, provocou epidemias, deslocamentos em massa, conflitos tribais e, inevitavelmente, o aumento da mortalidade.

4. Ciclone no Bangladesh (1991) - 198.866 mortos


A 29 de agosto de 1991, um ciclone devastador atingiu o Bangladesh, matando centenas de milhares de pessoas e causando mais de US$ 1,5 bilhão em danos económicos. Mais de 10 milhões de pessoas ficaram desabrigadas e devido à perda das colheitas e de animais para abate, a fome tornou-se um perigo crítico para os sobreviventes.

5. Ciclone em Myanmar (2008) - 138.366 mortos


Em abril de 2008, o ciclone tropical Nargis, com ventos de mais de 200 km/h, causou devastação ao longo do delta do rio Irauádi, em Myanmar, uma das áreas mais densamente povoadas do mundo. Foi o pior desastre natural na história do país.

6. Seca na Etiópia (1975) - 100.000 mortos


Em 1975, a monarquia foi abolida e proclamou-se a república socialista na Etiópia. A guerra civil que se instaurou no país aprofundou as crises agrícolas, perpetrando a fome e levado a que milhares de pessoas morressem.

7. Seca em Moçambique (1983) - 100.000 mortos


Em 1983, a combinação de uma grave seca com o fenómeno El Niño prolongou e intensificou a estiagem, levando à fome generalizada no sul de Moçambique. Para piorar, guerras internas impediram que a ajuda alimentar chegasse às populações afetadas tendo morrido milhares de pessoas.

8. Temperaturas extremas na Rússia (2010) - 55.376 mortos


O verão de 2010 foi um verdadeiro inferno na Rússia. A onda de calor sem precedentes causou incêndios florestais e quebras recordes na produção de grãos. A formação de um sistema de alta pressão que persistiu por semanas não só elevou as temperaturas como comprometeu a qualidade do ar. O resultado foi um cenário explosivo para pessoas com problemas cardiorrespiratórios.

9. Cheias na Venezuela (1999) - 30.000


Chuvas torrenciais atingiram a Venezuela ao longo das duas primeiras semanas de dezembro de 1999. Cheias súbitas e numerosos deslizamentos de terra deixaram dezenas de milhares de mortos e desaparecidos na costa do país, onde se concentra a maior parte da população. Aldeias inteiras foram varridas do mapa durante a tragédia.

10. Enchentes no Bangladesh (1974) - 28.700 mortos


Em 1974, as chuvas de monção castigaram o Bangladesh. Os danos causados pelas enchentes na produção agrícola, inevitavelmente, colocaram grande pressão sobre o sistema alimentar e o período ficou conhecido como o "ano da fome". [info]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. Quer ganhar curtidas? Envie seus posts para o site http://agregadordelinks.net/

    ResponderEliminar