Religião não torna as pessoas mais morais, afirma estudo

Religião não torna as pessoas mais morais, afirma estudo
Um novo estudo sugere que as pessoas religiosas não são mais propensas a fazer o bem do que as pessoas não religiosas.

Pesquisadores pediram a 1.252 adultos de diferentes origens religiosas e políticas nos Estados Unidos e no Canadá para gravar boas e más ações que cometeram, testemunharam, aprenderam sobre ou foram alvo ao longo do dia.

O objetivo do estudo foi avaliar como a moralidade na vida quotidiana difere entre as pessoas, disse Dan Wisneski, professor de psicologia da Universidade de St. Peter em New Jersey, que ajudou a conduzir o estudo.

As conclusões do estudo podem ser um choque para aqueles que pensam que a afiliação religiosa ou política ditam a compreensão que uma pessoa tem do que é certo e errado. Os pesquisadores verificaram que pessoas religiosas e não religiosas cometem um número semelhante de atos morais.

O mesmo parece ser verdade para pessoas de ambos os lados do espectro político. E, independentemente da sua filiação partidária ou religiosa, os participantes foram todos mais propensos a relatar cometer, ou ser alvo, de um ato moral, em vez de um ato imoral.

Eles também foram muito mais propensos a relatar ter ouvido falar sobre atos imorais, em vez de atos morais. No entanto, houve algumas diferenças na forma como as pessoas em diferentes grupos responderam emocionalmente aos chamados "fenômenos morais", disse Wisneski.

Por exemplo, as pessoas religiosas relataram ter emoções auto-conscientes mais intensas - como culpa, vergonha e desgosto - após cometer um ato imoral do que as pessoas não-religiosas. Os religiosos também relataram ter um maior senso de orgulho e gratidão após cometer atos morais.

Liberais e conservadores também tendem a pensar em fenómenos morais de diferentes maneiras. Por outras palavras, embora pareçam ter a mesma quantidade de atos morais e imorais, apresentam diferentes maneiras de falar sobre essas experiências.

A abordagem usada para estudar a moral está muito longe de estudos anteriores, uma vez que a maioria foi realizada em ambiente de laboratório e concentrou-se em estudar as respostas das pessoas a dilemas morais hipotéticos.

No futuro, Wisneski e seus colegas esperam usar a sua abordagem da vida real para estudar a moralidade numa amostra mais representativa. O estudo foi publicado online a 11 de setembro na revista Science. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário