Misterioso Deus romano intriga especialistas

Misterioso Deus romano intriga especialistas

Uma escultura de uma misteriosa divindade romana nunca antes vista foi descoberta em um templo antigo na Turquia e está a intrigar os especialistas.


O relevo do século 1 aC, de um deus barbudo enigmático levantando-se de uma flor ou planta, foi descoberto no local de um templo romano, perto da fronteira com a Síria.

O relevo antigo foi descoberto em um muro de sustentação de um mosteiro cristão medieval.

"É claramente um deus, mas no momento é difícil dizer exatamente quem é", disse Michael Blomer, arqueólogo da Universidade de Muenster, na Alemanha, que está escavando o local.


"Existem alguns elementos que lembram antigos deuses do Oriente Próximo, por isso pode ser um deus muito antigo, anterior aos romanos", acrescentou. No entanto, o antigo deus romano é um completo mistério.

Encruzilhada cultural


O templo fica em uma montanha perto da cidade moderna de Gaziantep, acima da antiga cidade de Doliche, ou Duluk. A área é uma das mais antigas regiões estabelecida continuamente na Terra, e por milênios, ficou no cruzamento de várias culturas diferentes, desde os persas aos hititas e sírios.

Durante a Idade do Bronze, a cidade estava na estrada entre a Mesopotâmia e o Mediterrâneo antigo. Em 2001, quando a equipe de Blomer começou a escavar no local, quase nada era visível a partir da superfície.


Através de anos de escavação meticulosa, a equipe finalmente descobriu as ruínas de uma antiga estrutura da Idade do Bronze, bem como um templo romano dedicado a Júpiter Era Dolichenus, uma versão romanizado da antiga Aramean ou deus do céu e da tempestade, que dirigiu o panteão do Oriente Próximo, Blomer disse.

Durante o segundo e terceiro séculos dC, o culto de Júpiter Dolichenus se tornou uma religião global provavelmente porque muitos soldados romanos foram recrutados a partir da área onde era adorado e os soldados levaram consigo o seu deus, acredita Gregory Woolf, classicista na Universidade de St. Andrews, na Escócia, que não esteve envolvido na escavação.

Depois do templo ser destruído, os cristãos medievais construiram o mosteiro Mar Salomão sobre a fundação do local, e depois das Cruzadas, o local tornou-se o lugar do enterro de um famoso santo islâmico.

A equipe de Blomer estava escavando uma das paredes do contraforte antigo do mosteiro quando descobriram o relevo que mostrava um homem barbudo levantando-se de uma planta e mantendo o talo de uma outra.

A parte inferior do relevo contém imagens de um crescente, uma roseta e uma estrela. A parte superior foi interrompida, mas quando fosse concluída teria ficado com o tamanho de um ser humano.

Divindade desconhecida


A divindade misteriosa pode ter sido uma romanização de um deus local do Oriente Médio, e os elementos agrícolas sugerem uma conexão com a fertilidade. Mas, além disso, a identidade da divindade tem desafiado os especialistas.

O relevo mostra alguns elementos associados à Mesopotâmia. Por exemplo, a roseta na parte inferior pode estar associada a Ishtar, enquanto a lua crescente na base é um símbolo do deus da lua Sin, afirma Nicole Brisch, especialista em estudos do Oriente Médio na Universidade de Copenhague, na Dinamarca.

O fato de ele estar saindo de uma planta é uma reminiscência dos mitos de nascimento de alguns deuses, como o deus mistério no culto de Mitra, que nasceu a partir de uma rocha, ou a deusa grega Afrodite, que nasceu da espuma do mar, especula Woolf.

Deuses híbridos


Embora a identidade dos deuses possa até ser um mistério, a sua hibridização não é incomum para a época, afirma Woolf. "Quando o estilo dominante na área é grego e romano, eles dão aos seus deuses um face-lift", afirmou Woolf ao site Livescience.

Por exemplo, os antigos deuses egípcios acabam usando as roupas de legionários romanos e deuses da Mesopotâmia antigos. As melhores chances de identificar esta divindade enigmática é encontrar uma representação semelhante em algum lugar com uma inscrição que o descreva. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário