Descoberto bizarro cérebro humano sem rugas

Descoberto bizarro cérebro humano sem rugas

Enquanto fotografava prateleiras de cérebros humanos armazenados na Universidade do Texas para um livro, Adam Voorhes fez um achado verdadeiramente original: um cérebro sem rugas.


David Dexter, diretor científico da Parkinson's UK Brain Bank, disse à New Scientist que nunca tinha visto um cérebro adulto assim. "Já vimos indivíduos estranhos onde faltam certos sulcos cerebrais, mas nada da extensão deste cérebro".

A falta de circunvuluções (sulcos) e dobras (giros) que caracterizam um cérebro humano são devido a uma condição rara chamada lissencefalia. A doença é causada pela migração neuronal anormal durante o desenvolvimento embrionário.

Para saber mais sobre este achado raro, Voorhes passou mais de um ano tentando caçar os detalhes deste e dos cerca de 100 outros cérebros humanos na coleção. Ele vasculhou documentos com um século e descobriu uma história repleta de batalha pela posse da coleção.

Descoberto bizarro cérebro humano sem rugas


No entanto, não havia nada sobre o achado. As pessoas com formas menos extensas mas semelhantes de lissencefalia frequentemente têm dificuldade de deglutição, espasmos musculares, convulsões e dificuldades de aprendizagem.

Muitos indivíduos com esta doença morrem antes dos 10 anos. Todos os cérebros da coleção são de pacientes do Hospital Mental de Austin e posteriormente foram preservados em frascos de formol.

Durante mais de 20 anos, os cérebros foram esquecidos em um armário escuro algures na parte de trás de um laboratório animal. Enquanto todos os cérebros são considerados desfigurados ou anormais, de alguma forma, um cérebro com tão poucas dobras e sulcos é uma raridade.

Actualmente, a Universidade do Texas está trabalhando em documentar os cérebros com mais detalhe com um scanner de IRM. Após a conclusão, o cérebro será colocado em exposição no Centro de Pesquisa em Imagem no campus. [iflscience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário