Corvos guardam rancor de forma semelhante aos humanos

0
http://www.ciencia-online.net
Os Corvos não esquecem um rosto - e eles guardam rancor. Pesquisadores em Seattle revelaram no ano passado que os corvos capturados lembram-se do rosto do seu raptor. Apesar de passarem anos desde que viram o rosto ameaçador, os corvos na experiência ameaçavam o seu captor e tentavam atacá-lo, sugerindo que as aves mantinham firmemente a uma associação negativa.

Agora, os pesquisadores do estudo de acompanhamento mostram que os cérebros dos pássaros ativam-se bem como a mente humana quando vêem uma cara que conhecem. "As regiões do cérebro do corvo que trabalham em conjunto não são diferentes daquelas que trabalham nos mamíferos, incluindo os seres humanos", disse o pesquisador John Marzluff, da Universidade de Washington.

No estudo, 12 corvos adultos machos foram capturados por investigadores que usavam um tipo de máscara, referido no estudo como a face ameaçadora. Então, durante quatro semanas de cativeiro, as aves foram alimentadas por pessoas usando uma máscara diferente. Embora ambos os disfarces tivessem expressões neutras, esta máscara foi designada solidária.

Para ver o que estava a acontecer no cérebro das aves quando viram ambas as faces, os pesquisadores injetaram um líquido de glicose nos corpos dos corvos. Os corvos foram postos na presença de alguém que vestia a máscara ou ameaçadora ou solidária durante cerca de 15 minutos, tendo em seguida sido sedadas e foi feita uma varredura ao seu cérebro.

O fluido revelou que partes dos seus cérebros eram mais ativas relativamente a uma certa máscara e os pesquisadores disseram que o processo de reconhecimento mental foi semelhante aos seres humanos. Marzluff disse que parece que as aves inteligentes tem uma região do cérebro que é análoga à da amígdala dos mamíferos. A amígdala é a região do cérebro dos vertebrados, onde associações negativas são armazenados como memórias. 

O estudo, publicado esta semana na revista Proceedings, sugere que os cuidadores podem ser capazes de reduzir o stress dos animais, ao tratá-los bem e de forma consistente. "Ao alimentar e cuidar de pássaros em cativeiro a sua atividade cerebral sugere que os pássaros vêm os seus guardiões como valorizados parceiros sociais, em vez de animais que devem ser temidos," disse Marzluff.

Ele acrescentou que as descobertas podem até mesmo ser usadas para tornar corvos melhor comportados, o que sugere que as aves poderiam ser manipuladas para associar comer uma espécie rara, com uma experiência negativa para treiná-los para evitar uma presa particular.


Temas

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)