Recentes

Saúde +

Tecnologia +

Espaço +

Animais +

Ambiente +

Cultura +

Diversos +

Videos +



22/10/2012

Explorando a evolução dos instrumentos musicais


http://www.ciencia-online.net
A invenção de instrumentos musicais surgiu acidentalmente, sugere um físico australiano. O desenvolvimento dos Instrumentos dependia dos materiais disponíveis, e às vezes o estímulo veio do clamor da batalha.

Ninguém sabe de onde veio a música, ou mesmo quando os primeiros instrumentos foram inventados, mas Neville Fletcher, um cientista reformado da Universidade Nacional da Austrália em Canberra, que fez do estudo da física dos instrumentos um hobby, acha que a chave para a invenção de instrumentos são os materiais disponíveis em cada civilização. As pessoas usavam o que tinham.

Num artigo publicado na revista Accoustics Australia, Fletcher escreveu que, em algum momento, um dos humanos decisores acrescentou ruído às palavras ou poesia, de modo que as músicas contaram uma história. "A Poesia tradicional tinha ritmos para eles", disse Fletcher, e alguém estendeu os ritmos para as músicas que eles cantavam. Ninguém sabe quando isso aconteceu, mas foi a música.

Arqueólogos debatem sobre quando os primeiros instrumentos foram inventados. O problema é que a maioria dos instrumentos eram feitos de materiais perecíveis - tais como peles de animais - e teriam desintegrado há muito tempo. Flautas, um dos básicos instrumentos eólicos, podem ser feitas de ossos com furos, assim poderiam ter sido preservadas.

Os arqueólogos encontraram objetos com aproximadamente 67.000 anos que poderiam ter sido flautas simples. Outra flauta possível, entre 40.000 e 60.000 anos de idade, poderia ter sido feita por homens de Neandertal. Objetos que são claramente flautas foram encontradas na China e datam de 7,000 a 9,000 anos atrás.

Liras e harpas, feitas entre 2600 e 2500 AC, foram encontrados na cidade suméria de Ur, o lar do bíblico Abraão. Fletcher disse que há cerca de 10.000 anos, aborígenes australianos desenvolveram um didgeridoo.

Os aborígines também aprenderam a bater paus juntos, e outras culturas aprenderam que se pode fazer um som ao acertar um tronco oco com paus pesados. Logo, as pessoas estavam a modificar o comprimento do objeto de destino para produzir notas diferentes, o que levou a instrumentos como o xilofone.

Então, como a civilização avançou para a Idade do Bronze, vieram os metais, geralmente em forma de liga, especialmente estanho (estanho e chumbo), bronze (cobre e zinco) e bronze (cobre e estanho). É aí que a guerra teve um papel, disse Fletcher. As ligas foram originalmente desenvolvidas para armas e escudos.

Alguém observou, por exemplo, que bater num capacete de bronze com uma espada de bronze tinha uma altura definida quando ele estava vazio, outro quando a cabeça de alguém estava nele. Isso pode ter levado aos sinos de igreja.

Sinos grandes na sua maioria são feitas de bronze, disse Fletcher, porque o bronze é denso e dá um som sustentado. Formas diferentes dão sons diferentes, e cada cultura adaptou os sons que gosta melhor.

A madeira é o segredo dos instrumentos de corda, como violinos, violas, violoncelos, contrabaixos, assim como pianos e guitarras. As cordas já foram feitas de tripas de animal, mas o metal e os polímeros têm substituído o intestino.

Curvando-se as cordas de um violino produz-se um som muito baixo, de acordo com Metcalfe. O som que se ouve é sustentado e amplificado pela madeira e pelo seu design. A madeira num piano também amplifica o som.

A madeira é ideal porque é anisotrópica, o que significa que as vibrações são mais fortes numa direcção, ao longo do veio, de modo que o som pode ser dirigido através da estrutura. O design icônico dos instrumentos de arco também ajuda.

Os violinos famosos de Antonio Stradivari e Guarneri Giuseppe da Itália do século XVIII obtinham o seu glorioso som da madeira que eles usavam, sendo difícil de duplicar agora. A Europa estava a passar por uma "Pequena Idade do Gelo", posteriormente, a madeira passou a ser subtilmente diferente.

Para alguns instrumentos, o material é irrelevante para o som. Instrumentos cónicos como trombetas de bronze e chifres e a concha, tem um som mais rico não por causa do bronze, mas por causa da forma, de acordo com Metcalfe.

Instrumentos tubulares como o clarinete, flautas e flauta têm sons mais simples, mais uma vez, derivados da sua forma. Além disso, os metais utilizados nos órgãos de tubos não são tão importantes como a sua forma cilíndrica.


Partilhe
Blogger
Facebook
Disqus

comments powered by Disqus

Sem comentários:

Enviar um comentário

Subscrever
Tópicos
Populares

Subscreva por email



Fonte de artigos e notícias sobre ciência, saúde e tecnologia, altamente acessível para pessoas que são curiosas acerca das suas mentes, corpos e mundo circundante. Neste site exploramos as ultimas descobertas científicas e analisamos tópicos que afetam a vida das pessoas em múltiplos sentidos.


Acerca | Private Policy | Contacto | TOC
GR8BROWSERGAMES

IRONIA D'ESTADO

© Ciência Online - Saúde, Tecnologia, Ciência Todos os direitos reservados | Designed By Seo Blogger Templates