O Jurassic Park pode ser impossível, mas ADN de dinossauro dura mais tempo do que se pensava

0

http://www.ciencia-online.net
No filme "Jurassic Park", os cientistas extrairam ADN de dinossauro com 80 milhões de anos dos ventres de mosquitos presos em âmbar. Os pesquisadores podem nunca ser capazes de extrair o material genético e trazer um T-Rex de volta à vida, mas um novo estudo sugere que o ADN pode sobreviver mais tempo em fósseis do que se acreditava anteriormente.

As amostras mais antigas de ADN já recuperadas são de insectos e plantas em núcleos de gelo na Gronelândia com 800.000 anos de idade. Mas os investigadores não tinham sido capazes de determinar o mais antigo ADN a partir do registo fóssil porque a taxa de decadência do ADN permanecia um mistério.

Agora cientistas na Austrália foram capazes de estimar esta taxa com base na comparação do ADN de 158 ossos da perna fossilizadas de três espécies do moa, um grupo extinto de aves que não voavam e viviam na Nova Zelândia. Os ossos datam entre 600 e 8.000 anos de idade e mais importante, todos vêm da mesma região.

Temperaturas, oxigenação e outros fatores ambientais tornam difíceis de detectar uma taxa básica de degradação, explicou o pesquisador Mike Bunce, do laboratório de ADN da Universidade de Murdoch. "Os ossos do moa no entanto permitiram-nos estudar a degradação do ADN comparativo porque eles vêm de diferentes idades a partir de uma região em que todos experimentaram as mesmas condições ambientais", disse.

Com base no estudo de Bunce e sua equipa, o ADN tem uma semi-vida de 521 anos, ou seja, metade das ligações de ADN seriam repartidos 521 anos após a morte, e metade das ligações restantes decairiam mais 521 anos depois, e assim sucessivamente. Esta taxa é 400 vezes mais lenta do que experiências de simulação previstas, disseram os pesquisadores, e isso significa que, em condições ideais, todos as ligações de ADN seriam completamente destruídas no osso após cerca de 6,8 milhões de anos.

"Se a taxa for precisa, então podemos prever que fragmentos de ADN de comprimento suficiente irão preservar-se no osso fóssil congelado com cerca de um milhão de anos de idade", disse Bunce. Mas ele alertou que mais pesquisas são necessárias para examinar as outras variáveis ​​na degradação do ADN. "Outros fatores que impactam na preservação de ADN incluem o tempo de armazenamento após escavação, a química do solo e até mesmo da época do ano, quando o animal morreu", diss Bunce. O estudo foi publicado na revista Proceedings of the Royal Society B.

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)