Micróbios antigos encontrados em lago enterrado da Antártica

http://www.ciencia-online.net/2012/11/microbios-antigos-encontrados-em-lago.html
Sob a superfície gelada de um lago antártico enterrado, em super-água salgada desprovida de luz e oxigénio, que também é frio suficiente para congelar a água do mar, os pesquisadores descobriram agora que uma comunidade diversificada de bactérias sobreviveu por milénios. As descobertas lançam uma luz sobre os limites extremos em que a vida pode florescer não apenas na Terra, mas possivelmente em mundos alienígenas.

Os pesquisadores analisaram o Lago Vida, que fica encapsulado dentro do gelo a pelo menos 60 pés (18 metros) abaixo da superfície da Antártida. Estudos anteriores revelaram que a salmoura no lago foi isolada a partir da superfície há, pelo menos, 2800 anos.

"Esse gelo é tão espesso, nada de fora pode chegar até à água naturalmente", disse o pesquisador Peter Doran, cientista na Universidade de Illinois, em Chicago. Para analisar a salmoura, os pesquisadores usaram brocas e tubulações aquecidas. Para evitar a contaminação desse ecossistema isolado, os pesquisadores montaram uma "sala limpa" em cima do buraco, usando o tipo de fatos brancos usados ​​em laboratórios.

A salmoura vai de amarelo a cor de laranja devido aos compostos ferrosos no seu interior. Os investigadores descobriram que a temperatura da água era de cerca de 8 graus Fahrenheit (-13 graus Celsius) - o seu sal, cerca de cinco a seis vezes maior do que a média na água do oceano, que o impede de congelar. Também está completamente esgotada de oxigénio e é ligeiramente ácida. Mas, apesar do conjunto de condições difíceis, os pesquisadores descobriram a comunidade diversificada e próspera de micróbios na salmoura.

A salmoura tinham níveis muito elevados de compostos à base de carbono, os blocos de construção da vida. Também possuía níveis elevados de produtos químicos que, em geral reagem uns com os outros, tais como o óxido nitroso e de hidrogénio molecular, o que sugere que eles estavam a ser reabastecido regularmente - uma descoberta surpreendente, tendo em conta a forma como o lago foi isolado por milénios de quaisquer fontes de energia externas óbvias para ajudar a criá-los.

A química global da presente salmoura sugere que as reacções químicas entre a água e os sedimentos subjacente geraram os químicos reactivos vistos na salmoura. O hidrogénio molecular observado na salmoura pode servir como uma fonte de combustível para ajudar a suportar a vida microbiana. Habitats semelhantes podem existir em outros mundos de gelo, disseram os pesquisadores.

Pesquisas futuras podem explorar a profundidade do lago da Vida. Outras equipas de cientistas estão também a perfurar outros lagos enterrados na Antártida em busca de sinais de vida que tenha sido cortada do resto do mundo por milénios. Doran, Alison Murray e seus colegas detalharam as suas descobertas online a 26 novembro na revista Proceedings.


Siga-nos no facebook e no twitter


PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário