Passos dados em direção da vacina do Ébola


http://www.ciencia-online.net/2012/11/passos-dados-em-direcao-da-vacina-do.html
As vacinas testadas em macacos, porquinhos da índia e ratos revelaram um marcador químico, que pode indicar precisamente se alguém está protegido do vírus Ébola, tornando uma vacina humana mais próximas da realidade.

O Ébola, mais formalmente chamado de febre hemorrágica Ébola, é na verdade, um conjunto de cinco vírus, nomeados de acordo com o local onde foram encontrados. Provavelmente o mais conhecido dos vírus, o Zaire Ebolavirus, relatou taxas de mortalidade de até 90%, embora tenha sido tão baixo como 25%, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Não há cura para o Ébola, nem existe uma vacina aprovada ainda para o uso humano.

Atualmente, um surto da cepa do vírus Ebola Sudão matou três pessoas no Uganda, com vários outros sendo monitorados. E enquanto a doença é bastante rara e endémica em áreas remotas da África, é muitas vezes apontada como uma possível arma biológica. Além de tais cenários apocalípticos, há o problema de viajantes que podem-se infectar e espalhar para outros. Trabalhadores de laboratório e de saúde também são vulneráveis. O vírus é transmitido por contato próximo e fluidos corporais, embora ainda haja algum debate sobre como se propaga em ambientes naturais.

No novo estudo, os cientistas liderados por Gary Kobinger, chefe de patógenos especiais da Agência de Saúde Pública do Canadá, testaram duas vacinas em macacos, cobaias e camundongos. Quando a vacina é administrada, ou uma infecção, o organismo produz substâncias chamadas imunoglobulinas, um tipo de anticorpo. Kobinger descobriu que os níveis elevados de chamada imunoglobulina G (IgG), correlacionava-se com a sobrevivência da infecção com vírus Ebola.

"O que isso diz a você é o que você pode olhar para a resposta imune que pode nos dizer se essa pessoa está protegida", disse ele. Isto é, se alguém usar o mesmo teste em seres humanos, pode-se dizer, com 99,97% de confiança que eles estão protegidos. "Esta é uma ligação crítica necessária para avançar as plataformas de vacinas para testes clínicos em humanos", disse Gene Olinger, microbiologista, que não estava envolvido no estudo.

Uma das vacinas testadas está programada para ser testada em seres humanos em 2013, disse Kobinger. O novo estudo, detalhado na edição de 31 de Outubro da revista Medicine Translational Science, torna mais fácil para justificar tais ensaios clínicos humanos. Testar uma vacina contra o Ébola é complicado, porque a doença é tão mortal e rara. Com sarampo ou a hepatite, já existe uma população generalizada infectada, que os cientistas podem testar a vacina nos indivíduos. Mas com o Ébola, ter-se-ia que expor seres humanos ao vírus para ter uma amostra grande o suficiente, algo que nunca poderia acontecer eticamente.

Agora há uma série de métodos para a entrega de proteínas na superfície do vírus e estimular a resposta de IgG sem usar os agentes infecciosos reais - neste caso, o vírus Ébola. Kobinger utilizou adenovírus e vírus da estomatite vesicular, modificado de modo a que não causem doença. Ambos os métodos resultaram em níveis semelhantes de IgG e de protecção do Ébola (É a vacina baseada em adenovírus, que será testada em seres humanos em primeiro lugar).

Isso parece promissor, mas há algumas ressalvas importantes. Por exemplo, o estudo mostra algo que se correlaciona com proteção contra Ébola. Isso não significa que IgG é o que protege os animais da doença, que ainda não está claro exatamente como o sistema imunológico impede o vírus de crescimento e disseminação.

Os testes para os níveis de IgG serão uma boa maneira de ver se alguém está protegido contra o vírus, e é por isso que os testes em humanos são possíveis. Mas, afinal, a única maneira de saber com certeza se existe uma vacina eficaz é testá-la contra uma infecção. Que é provável que seja num surto numa área remota, ou dando-a a trabalhadores de laboratório. Isso levanta questões éticas próprias, mesmo que - ou talvez especialmente se - a vacina funciona. 

Outra questão é se você vacinar muita gente em tudo. Ébola é tão raro que a menos que haja um grande surto, pode não valer a pena dar vacinas a milhares de pessoas em, digamos, Nova York. É possível para os viajantes possam trazê-lo de volta, mas, como as áreas endêmicas são remota, isso é muito improvável. Mais imediatamente, disse Kobinger, este tipo de correlação pode ser uma forma de ajudar as pessoas que lidam com surtos: Médicos podem testar os níveis de um paciente de IgG específica para o Ébola, e se eles são altos, então é provável que eles estejam protegidos.

Siga-nos no facebook e no twitter


PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário