Origem da Vida precisa de ser repensada, argumentam cientistas


http://www.ciencia-online.net/2012/12/origem-da-vida-precisa-de-ser-repensada.html
Cientistas a tentar desvendar o mistério da origem da vida têm olhado para o caminho errado, argumenta um novo estudo. Em vez de tentar recriar os blocos de construção químicos que deram origem à vida há 3,7 biliões de anos atrás, os cientistas devem usar as principais diferenças na forma como os seres vivos armazenam e processam a informação, sugere uma nova pesquisa detalhada a 11 de dezembro no Journal of the Royal Society Interface.

"Na tentativa de explicar como a vida veio a existir, as pessoas têm-se concentrado num problema de química, que fazer vida seria como fazer um bolo, que nós temos um conjunto de ingredientes e instruções para seguir", disse o co-autor Paul Davies, um físico teórico e astrobiólogo da Universidade do Arizona. "Essa estratégia não está a captar a essência do que é a vida."

Os sistemas vivos são exclusivamente caracterizados por duas vias de fluxos de informação, tanto de baixo para cima como de cima para baixo, em termos de complexidade, escrevem os cientistas no artigo. Por exemplo, de baixo para cima passaríamos de moléculas às células para as criaturas inteiras, de cima para baixo, fluiria o caminho oposto. A nova perspectiva de vida pode reformular a maneira como os cientistas tentam descobrir a origem da vida e a busca de novas formas de vida estranhas noutros planetas.

"Neste momento, estamos a concentrar-nos na busca de vida que é idêntica a nós, com as mesmas moléculas", disse Chris McKay, astrobiólogo na NASA que não esteve envolvido no estudo. "A sua abordagem estabelece potencialmente uma estrutura que nos permite considerar outras classes de moléculas orgânicas que poderiam ser a base da vida."

Durante décadas, os cientistas tentaram recriar os acontecimentos primordiais que deram origem à vida no planeta. Nas famosas experiências de Miller-Urey, relatadas em 1953, os cientistas carregaram elétricamente uma sopa primordial de elementos químicos que imitavam a composição química dos oceanos no início do planeta e descobriram que vários aminoácidos simples, os blocos mais primitivas de vida, formaram-se como resultado.

Mas, desde então, os cientistas não estão muito mais adiante na compreensão de como simples aminoácidos poderiam, eventualmente, transformar-se em organismos simples, e então complexos seres vivos. Parte do problema é que não é realmente uma boa definição do que é a vida, disse Sara Walker, co-autora do estudo e astrobióloga da Universidade do Arizona.

"Normalmente, a nossa forma de identificar a vida na Terra é sempre por ter ADN presente no organismo", disse Walker. "Não temos uma forma matemática rigorosa de identificá-lo". Usando uma definição química de vida - por exemplo, requerendo ADN - pode limitar a busca de vida extraterrestre, e também pode incluir sistemas não-vivos erradamente, por exemplo, uma placa de Petri cheia de auto-replicação do ADN, acrescentou.

A equipa de Walker criou um modelo matemático simples para capturar a transição de um não-vivo para um ser vivo a respirar. Segundo os pesquisadores, todos os seres vivos têm uma propriedade que os objetos inanimados não têm: Os fluxos de informação em duas direções. Por exemplo, quando uma pessoa toca num fogão quente, as moléculas ao sentir o calor, transmitem essa informação ao cérebro, e o cérebro, então, diz às moléculas da mão para se mover. 

O fluxo de informações, com os dois sentidos governa igualmente o comportamento de formas de vida simples e complexos, desde bactérias menores até à baleia gigante. Por outro lado, se você colocar um biscoito no fogão, o calor pode queimar o biscoito, mas ele não vai fazer nada para responder.

Outra característica dos seres vivos é a de que eles têm diferentes locais físicos para a armazenagem e leitura de informação. Por exemplo, o alfabeto de letras no ADN carrega as instruções para a vida, mas outra parte da célula, chamado de ribossomo, deve traduzir essas instruções em ações dentro da célula, disse Davies. (Por esta definição, computadores, que armazenam dados num disco rígido e lêem usando uma unidade de processamento central, teria as características de vida, embora isso não significa que eles estão vivos, por si só, disse Walker)

O novo modelo ainda está na sua infância e ainda não aponta para novas moléculas que poderiam ter gerado a vida noutros planetas. Mas estabelece o comportamento necessário para um sistema ser considerado vivo, disse Walker. "Este é um manifesto", disse Davies. "É uma chamada às armas e uma maneira de dizer que temos de reorientar e redefinir o assunto e olhar para ele de uma maneira diferente".
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Publicar um comentário