Nova teoria explica porque amputados sentem dor fantasma

Nova teoria explica porque amputados sentem dor fantasma

A experiência de dor no membro fantasma de amputados pode estar ligada às representações residuais desse membro no cérebro, sugere um novo estudo.


"Cerca de 80 por cento dos amputados sentem dor fantasma", disse o principal autor do estudo Tamar Makin, neurocientista da Universidade de Oxford.

"Para muitos, a dor é debilitante, interferindo com o seu dia-a-dia". As causas da dor fantasma há muito tempo intrigavam os cientistas, e os tratamentos são limitados. 

O cérebro é conhecido por ter um "mapa" sensorial de diferentes partes do corpo, e pesquisas anteriores sugeriram que a dor fantasma era resultante de quando a parte do mapa que representava o ex-membro é tomada por representações de outras partes do corpo (como o rosto e lábios), um fenómeno conhecido como plasticidade. 


Mas uma nova pesquisa sugere que a dor fantasma deriva de representações duradouras do membro amputado. Os resultados foram detalhados a 5 de março na revista Nature.

Usando ressonância magnética funcional (fMRI), que mede as mudanças no fluxo de sangue devido à atividade cerebral, a equipa de Makin scaneou os cérebros de amputados da mão, dois indivíduos normais, e pessoas que nasceram com apenas uma mão. 

Enquanto os participantes estavam a ser digitalizados, foram orientados a mover as suas mãos, braços, pés ou lábios. Os amputados com dor fantasma foram orientados a executar os movimentos com o membro fantasma.

Os exames mostraram que os amputados com dor fantasma tinham o mesmo padrão de atividade cerebral dos indivíduos com ambas as mãos. Esta foi uma grande surpresa, disse Makin. Além disso, a dor fantasma foi relacionada com a actividade interrompida entre as diferentes partes do córtex sensório-motor, a parte do cérebro que processa toque e movimento.

Enquanto estudos anteriores focaram-se em como as representações cerebrais de outras partes do corpo usurpam a área que já representou o membro amputado, o estudo de Makin centrou-se na representação persistente do próprio membro. 

A interpretação de Makin dos seus resultados é que a experiência da dor está a causar a reorganização cerebral, em vez de reorganização cerebral estar a causar a dor. Mas Lorimer Moseley, fisioterapeuta da Universidade do Sul da Austrália, que não esteve envolvido no estudo, discorda.

As duas explicações de dor fantasma são paradigmas diferentes, disse Moseley - "não há nenhuma razão para sugerir que uma é verdadeira e a outro não". O problema, disse Makin, é o estudo mostrar que a dor e o remapeamento são correlacionados, mas não mostra que um causa o outro.

No entanto, o estudo "confirma a ideia de que pode-se ser capaz de tratar a dor do membro fantasma, tratando o remapeamento do cérebro", disse Moseley.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Publicar um comentário