Revivendo o mamute: Poderá a reversão da extinção tornar-se realidade?


http://www.ciencia-online.net/2013/03/revivendo-o-mamute-podera-reversao-da.html
Biólogos trouxeram a extinta Pirinéus ibex de volta à vida, em 2003, através da criação de um clone de uma amostra de tecido congelado, colhido antes de toda a população de cabras desaparecer em 2000. O clone sobreviveu apenas sete minutos após o nascimento, mas deu aos cientistas a esperança de reverter a extinção.

Dez anos depois, um grupo de pesquisadores e ambientalistas reuniram-se em Washington, a 15 de março, para o fórum chamado TEDxDeExtinction, organizado pela National Geographic Society, para falar sobre como trazer à vida animais extintos. Embora os cientistas não esperem um "Jurassic Park" real, a perspectiva de trazer à vida uma espécie que morreu há algumas dezenas de milhares de anos e poder ser ressuscitada pode ser real, desde que tenha bastante ADN antigo intacto.

Alguns depositam as suas esperanças no mamute, um parente dos elefantes modernos que foram extintos há entre 3.000 e 10.000 anos, tendo deixado algumas carcaças extraordinariamente bem preservadas no gelo siberiano. Os cientistas da Rússia e Coreia do Sul embarcaram num ambicioso projeto para tentar criar um espécime vivo usando o núcleo do ADN-armazenamento de uma célula de mamute e um óvulo de elefante asiático - uma perspectiva desafiadora, pois ninguém jamais foi capaz de colher os ovos de um elefante.

Mas o ADN de espécies extintas não precisam ser preservados em condições árticas para serem úteis aos cientistas - os pesquisadores foram capazes de começar a montar os genomas de espécies extintas a partir de espécimes de museu. A este propósito, uma equipa que inclui o perito em genética de Harvard, George Church está a tentar trazer de volta o pombo do passageiro - um pássaro que, outrora preencheu os céus orientais da América do Norte. 

Eles têm sido capazes de reunir cerca de 1 milhar de milhões de letras (cada um dos quatro nucleotídeos que compõem o ADN tem uma designação de letra) no genoma do pássaro com base em ADN a partir de uma amostra de museu empalhado com 100 anos de idade. Eles esperam incorporar esses genes responsáveis ​​por certos traços no genoma de um pombo rocha comum para trazer de volta o pombo do passageiro, ou pelo menos criar algo que se parece com ele.

Há alguns anos, um outro grupo de pesquisadores isolou o ADN de uma amostra de 100 anos de idade de um tilacino jovem, também conhecido como tigre da Tasmânia. O espécime havia sido conservado em álcool no Museu Victoria, em Melbourne. O seu material genético foi inserido em embriões de rato, que provaram funcional em ratos vivos.

Agora que a reversão da extinção paira como uma possibilidade, apresenta algumas questões espinhosas: Devemos trazer de volta estas espécies? E o que faríamos nós depois?

Stuart Pimm, da Universidade de Duke argumentou num artigo de opinião no National Geographic que esses esforços seriam um "desperdício colossal" se os cientistas não souberem onde colocar essas espécies que haviam sido expulsas para fora do planeta, porque os seus habitats se tornaram inseguros.

Pimm também se preocupa que isto possa criar uma falsa impressão de que a ciência pode salvar espécies ameaçadas de extinção, tornando-as o foco de conservação. Mas outros argumentam que trazer de volta criaturas carismáticas poderia agitar o apoio para a preservação das espécies.

Outras espécies desapareceram antes dos cientistas terem a oportunidade de estudar as suas notáveis ​​capacidades biológicas - como o sapo ninhada gástrico, que desapareceu da Austrália, em meados dos anos 1980, provavelmente devido à extração de madeira e do fungo.

"Este não era apenas qualquer sapo", disse Mike Archer, paleontólogo da Universidade de Nova Gales do Sul, durante a sua palestra no TEDxDeExtinction, que foi transmitido via stream. Essas rãs tinham um único modo de reprodução: A fêmea engolia ovos fertilizados, transformava o seu estômago num útero e dava à luz através da boca.

"Nenhum animal, muito menos um sapo, é conhecido por fazer isso - mudar um órgão do corpo para outro", disse Archer. Ele está a usar métodos de clonagem de colocar núcleos do sapo ninhada gástrico em ovos de rãs australianas vivas do pântano. Archer anunciou que a sua equipa já criou embriões em estágio inicial das espécies extintas formando centenas de células. "Acho que nós vamos ter esse sapo a pular feliz por estar de volta ao mundo mais uma vez", disse ele.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Publicar um comentário