Sons de discussões afetam cérebros de bebés enquanto dormem

0

http://www.ciencia-online.net/2013/03/sons-de-discussoes-afetam-cerebros-de.html
Ouvir os sons de discussões afetam a forma como o cérebro de um bebé processa tons emocionais de uma voz, sugere um novo estudo. Os cérebros dos pequeninos "ativam-se em resposta a tons de raiva, mesmo enquanto estão a dormir".

As mentes dos bebés são extremamente maleáveis. Os ambientes e eventos que experimentam moldam os seus cérebros para o bem ou para o mal. Stress devido a maus-tratos ou serem criados numa instituição pode ter impacto no desenvolvimento de um bebé. 

Mas este estudo, que será publicado na próxima edição da revista Psychological Science, mostra que até mesmo tensões moderadas podem afetar a função cerebral. Alice Graham, da Universidade de Oregon e seus colegas escanearam os cérebros de 20 crianças a dormir, com idades de 6 a 12 meses, usando imagens de ressonância magnética funcional (técnica que mede o fluxo de sangue como marcador da atividade do cérebro). Dentro do scanner, os bebés ouviram frases sem sentido ditas por um adulto do género masculino muito irritado, levemente irritado, alegre ou neutro. 

Os cérebros dos bebés a dormir apresentaram padrões distintos de atividade correspondente a cada tom emocional, revelou o estudo. Comparados com bebés criados em casas saudáveis, as crianças em casas com elevado conflito (como relatado pelas suas mães) tiveram uma maior resposta à voz muito irritada em regiões do cérebro envolvidas na regulação da emoção e stress - o córtex cingulado anterior rostral, o núcleo caudado, o tálamo e hipotálamo. 

Estudos anteriores em animais indicaram que estas regiões mostram efeitos de stress precoces sobre o desenvolvimento, e este estudo sugere que os bebés humanos podem experimentar um fenómeno semelhante. As descobertas sugerem que os bebés estão conscientes dos conflitos parentais e que esses conflitos podem afetar a forma como o cérebro dos bebés lidam com o stress e emoção, disse Graham.

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)