Autismo pode estar ligado a anomalias na placenta

0

http://www.ciencia-online.net/2013/04/autismo-pode-estar-ligado-anomalias-na.html
Crianças com aumentado risco de autismo podem ter estruturas anormais na placenta, que podem ser detectadas ao nascimento, sugere um novo estudo.

Os resultados sugerem que as intervenções comportamentais que visam o desenvolvimento de habilidades sociais e motoras destas crianças podem ser iniciadas imediatamente, disseram os pesquisadores. Estudos têm mostrado que tais intervenções são mais eficazes em crianças com autismo quando forem iniciados anteriormente.

É muito cedo para dizer que o exame da placenta poderia ser usado como um teste definitivo para o autismo no momento do nascimento, disse o pesquisador Dr. Harvey Kliman, diretor de Pesquisa Reprodutiva e Placentário da Escola de Medicina da Universidade de Yale. Perturbações do espectro do autismo geralmente são diagnosticados quando as crianças têm 3 ou 4 anos, ou até mais.

No entanto, se essas estruturas forem encontrados após o nascimento de uma criança e as intervenções forem iniciadas, a criança pode beneficiar muito se tiver autismo, enquanto que haveria pouca desvantagem se uma criança acabasse por não ter autismo - é improvável que eles seriam prejudicados pelo esforço, disse Kliman.

No estudo, Kliman e seus colegas coletaram amostras de tecido da placenta de 117 crianças nascidas em famílias que já tiveram uma criança com autismo, e comparam-nas com placentas de 100 bebés nascidos em famílias em que crianças mais velhas tinham autismo. Os pesquisadores, que não sabiam quais placentas tinham vindo de cada grupo de crianças, examinaram amostras das placentas em microscópios.

Enquanto uma em cada 50 crianças na população em geral têm autismo, de acordo com a estimativa mais recente dos Centros para o Controle e Prevenção de Doenças, o risco de autismo entre as crianças com um irmão mais velho que tem autismo é 18,7%, sugere o novo estudo. Os pesquisadores descobriram que as estruturas chamadas inclusões trofoblásticas (TIs) - que são pequenas invaginações na parede da placenta - eram muito mais comuns nas placentas das crianças de alto risco.

As placentas de crianças em situação de risco tinham oito vezes mais chances de ter dois ou mais inclusões trofoblásticas comparação com amostras de controle, de acordo com o estudo. A presença de quatro ou mais TIs estava ligada fortemente com a de estar no grupo de risco, mostrou o estudo. Nenhuma das placentas do grupo de controle teve quatro ou mais TIs, enquanto 19% dos que estavam no grupo de risco tinham.

Isso sugere que o uso de um ponto de corte de quatro TIs na placenta poderia revelar com uma especificidade de 99%, que uma criança estava no grupo de alto risco. Por outras palavras, é muito provável que uma criança com quatro TIs placentários esteja em alto risco para o autismo, disse Kliman. No entanto, o uso do ponto de corte de quatro TI teria uma baixa sensibilidade para detecção de crianças no grupo de alto risco: 81% das crianças no grupo de alto risco não têm quatro ou mais TIs.

Kliman disse que os pesquisadores continuarão a acompanhar com as crianças no estudo para ver quais delas acabam por ser diagnosticadas com autismo. Ele observou que cerca de uma em cada cinco crianças no grupo de alto risco, devem desenvolver autismo. Será interessante ver se são os 19% das crianças com quatro ou mais TIs a alinhar com aqueles que eventualmente são diagnosticados com a doença, disse Kliman ao MyHealthNewsDaily.

Os resultados não significam que as TIs causa autismo. Em vez disso, é provável que o que faz com uma criança tenha autismo também provoque a formação de TIs na placenta. "A placenta é um reflexo do que está a acontecer no cérebro", afirma Kliman. 

Pesquisadores sabem que as TIs estão relacionados com anormalidades cromossómicas. O facto de TIs também serem encontradas em crianças em risco elevado de autismo proporciona mais evidências de que a condição tem raízes genéticas. O estudo foi publicado online ontem (25 de Abril) na revista Biological Psychiatry.

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)