O que são placas tectónicas?

O que são placas tectónicas?


Da trincheira mais profunda do oceano até à montanha mais alta, as placas tectónicas explicam as características e movimentos da superfície da Terra, no presente e no passado.

A tectônica de placas é a teoria que defende que a camada externa da Terra está dividida em várias placas que deslizam sobre o manto, a camada interior rochosa acima do núcleo. As placas agem como uma casca dura e rígida em relação ao manto da Terra. Esta forte camada exterior é chamada litosfera.

Desenvolvida a partir da década de 1950 até os anos 1970, as placas tectónicas são a versão moderna da deriva continental, a teoria proposta pela primeira vez pelo cientista Alfred Wegener em 1912. Wegener não tem uma explicação para como os continentes poderiam mover-se ao redor do planeta, mas os pesquisadores sabem agora explicar.

A força motriz por trás das placas tectónicas é a combinação do empurrar de cristas médio-oceânicas e do puxar de zonas de subducção, acreditam os investigadores. Os cientistas continuam a estudar e debater os mecanismos que movem as placas.


As cristas médio-oceânicas são espaços entre as placas tectónicas do manto, como costuras numa bola de futebol. Magma quente brota nos sulcos, formando uma nova crosta oceânica e empurrando as placas. Nas zonas de subducção, duas placas tectónicas encontram-se e uma desliza debaixo da outra de volta para o manto, a camada abaixo da crosta.

Muitos vulcões espetaculares são encontrados ao longo de zonas de subducção, como o "Anel de fogo" que circunda o Oceano Pacífico. As zonas de subducção, ou margens convergentes, são um dos três tipos de limites de placas. Os outros são divergentes e as margens de transformação.

Numa margem divergente, duas placas estão a afastar-se, como nas cristas do fundo do mar ou zonas rift continental. As margens de transformação marcar placas, como na falha de Santo André, na Califórnia, onde a América do Norte e as placas do Pacífico moem-se com um movimento horizontal de deslizamento.

Graças à tectónica de placas, com pistas deixadas em rochas e fósseis, os geocientistas podem reconstruir a história passada dos continentes da Terra. A maioria dos pesquisadores acreditam que as placas tectónicas começaram há cerca de três mil milhões de anos, com base em magmas antigos e minerais preservados em rochas desse período.

Como os continentes se acotovelam ao redor da Terra, eles ocasionalmente se juntam para formar supercontinentes gigantes, com uma única massa. Um dos primeiros grandes supercontinentes, foi a Rodínia, reunida há cerca de mil milhões de anos. A sua separação está ligada a uma glaciação global chamada Terra Bola de Neve.

O supercontinente mais recente chamado Pangaea formou-se há cerca de 300 milhões de anos. África, América do Sul, América do Norte e Europa aninharam-se em conjunto, deixando um padrão característico de fósseis e rochas para os geólogos decifrarem após separação dos continentes. 

As peças do quebra-cabeça deixadas por Pangaea, desde fósseis até às linhas de costa correspondentes ao longo do Oceano Atlântico, forneceram os primeiros indícios de que os continentes da Terra se moviam.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Publicar um comentário