6 efeitos inesperados da mudança climática

0
6 efeitos inesperados da mudança climática


Junto com os seus efeitos indutores de ansiedade, as mudanças climáticas também oferecem uma oportunidade interessante de considerar processos fascinantes e interligados na Terra. 

Desde os menores até aos maiores componentes do planeta - das bactérias aos vulcões - todos de alguma forma sentem os efeitos das mudanças climáticas. Aqui estão seis dos efeitos mais inesperadas da mudança climática na Terra.

6. Morte das bactérias do deserto

O solo do deserto pode parecer desolado e sem vida, mas na verdade está repleto de bactérias. Colónias de bactérias podem crescer de forma tão espessa que formam camadas resistentes chamadas biocrostas que estabilizam o solo contra a erosão.

Um estudo destas biocrostas através dos desertos dos Estados Unidos mostraram que os diferentes tipos de bactérias do deserto prosperam em diferentes temperaturas. Alguns preferem o calor sufocante do Arizona e Novo México, enquanto outros se saem melhor no clima frio do sul do Oregon e Utah. 

Como as temperaturas se tornam mais erráticas com a mudança climática, as bactérias do deserto podem ter dificuldades em se adaptar, deixando o solo do deserto mais propenso à erosão.

5. Explosão de erupções vulcânicas

Como o degelo glacial inunda os oceanos e o nível do mar se eleva com a mudança climática, a distribuição de peso sobre a crosta da Terra irá mudar da terra para o mar. Essa mudança na distribuição de peso podem causar com que os vulcões entrem em erupção mais frequentemente, sugerem alguns estudos. 

Evidências desse fenómeno foram detectadas no disco de rochas, com restos de erupções vulcânicas mais abundantes correlacionando-se com períodos de derretimento glacial em vários pontos da história da Terra. Os seres humanos no século 21 provavelmente não vão sentir essa mudança, no entanto, este efeito parece durar até cerca de 2.500 anos.

4. Escurecimento dos oceanos

As alterações climáticas vão aumentar a precipitação em algumas regiões do mundo, resultando em rios de fluxo mais forte. Fortes correntes do rio agitam mais lodo e detritos, que eventualmente desagua no mar e torna o oceano mais opaco. 

Regiões ao longo da costa da Noruega já têm experimentado esse efeito, com água do oceano cada vez mais escura e turva com o aumento da precipitação e o derretimento da neve nas últimas décadas. Alguns pesquisadores têm especulado que a escuridão é responsável por mudanças nos ecossistemas regionais, incluindo um aumento nas populações de medusas.

3. Alergias pioram

Como a mudança climática provoca o inicio da primavera no início do ano, o pólen indutor de espirros vai surgir também no início do ano. Isto irá aumentar a carga total de pólen a cada ano, e poderá piorar as alergias das pessoas. Alguns modelos de temperatura e precipitação mostraram que os níveis de pólen poderão mais do que dobrar até ao ano 2040.

2. Invasões de formigas mais lentas

Pheidole megacephala, também conhecida como a formiga de cabeça grande, é um dos 100 melhores espécies invasores da Terra. Hordas desses insetos prosperam na América do Sul, Austrália e África, e as suas populações vorazes espalham-se rapidamente. 

Como animais invasores, eles roubam habitat e recursos a espécies nativas, prejudicando os ecossistemas regionais e pondo em risco a biodiversidade. Eles têm sido conhecidos por caçar filhotes de aves.

Pesquisadores estimam que 18,5% da Terra atualmente suporta a formiga de cabeça grande. Mas à medida que as temperaturas mudam a gama de habitat desses animais de sangue frio, provavelmente, diminuirá substancialmente. 

Alguns modelos climáticos sugerem que o alcance da formiga irá diminuir um quinto até ao ano de 2080. Como os insetos nativos irão responder a essas mudanças, no entanto, ainda não está claro.

1. Luz solar inunda fundo do mar polar

Enquanto derrete o gelo do mar, mais luz solar vai banhar regiões costeiras rasas em torno dos pólos. Comunidades de vermes do fundo do mar, esponjas e outros invertebrados acostumados a existir na escuridão começarão a experimentar períodos mais longos de luz solar a cada verão. 

Uma pesquisa recente mostrou que essa mudança poderá alterar significativamente as comunidades, permitindo que as algas e outras plantas marinhas sufoquem os invertebrados. 

Esta transição das comunidades dominadas por invertebrados para comunidades dominadas por algas já foi observada, tanto nas costas do Ártico como da Antártida, e poderá diminuir significativamente a biodiversidade nessas regiões.
Temas

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)