Descoberta brilhante: Antártida pode conter diamantes

Descoberta brilhante: Antártida pode conter diamantes
A Antártida pode ter um novo tipo de gelo - podem existir lá diamantes, de acordo com um novo estudo.

A descoberta, detalhada online ontem (17 de dezembro) na revista Nature Communications, sugere que as gemas podem ser encontradas em todos os continentes, dizem os pesquisadores .

Os diamantes formam-se sob o imenso calor e pressão encontrados a cerca de 160 quilómetros abaixo da superfície da Terra, na camada do manto do planeta, que é imprensada entre a crosta e o núcleo. 

Erupções vulcânicas poderosas trazem essas pedras preciosas para a superfície da Terra, onde são incorporadas em rochas azuladas conhecidos como quimberlita. Estes podem variar de 10.000 a 2,1 mil milhões de anos de idade e podem ter as fontes mais profundas de todas as rochas na superfície da Terra.

"A quimberlita em geral informam-nos sobre as condições no interior da Terra", disse o principal autor do estudo Gregory Yaxley, geólogo da Universidade Nacional Australiana, em Canberra. "A geoquímica tem pistas sobre a natureza das rochas geradas nessas profundidades extremas".

Até agora, as quimberlitas foram encontradas em todos os continentes, exceto na Antártida. Agora, os cientistas descobriram essas rochas no continente austral. Os pesquisadores analisaram amostras geológicas de rochas nas encostas sudeste do Monte Meredith, parte da vasta cadeia de montanhas príncipe Charles na Antártida Oriental. 

Os cientistas descobriram três amostras de quimberlitas que tinham cerca de 120 milhões de anos, tendo-se formado em torno do momento em que a área que hoje é a Índia estava à deriva longe da massa de terra combinada da Austrália e Antártida.

As quimberlitas encontram-se perto das margens da fenda Lambert, uma enorme fenda, transcontinental que atravessa grande parte da Antártida. A idade das quimberlitas antárticas e a sua composição química, mineral e características físicas sugerem que elas são parte de uma enorme província quimberlita Cretácea. 

Apenas cerca de 1 a 2% das quimberlitas contêm notas valiosas de diamante, e destes, a maioria têm muito menos do que 1 quilate de diamante por tonelada de quimberlita, afirmam os pesquisadores.

Estabelecer a viabilidade de qualquer grupo de quimberlita como uma potencial mina de diamantes requer o processamento de várias toneladas de quimberlita para estabelecer o seu grau, e isso é claramente inviável no ambiente antártico, acreditam os pesquisadores. 

Além disso, a atividade de mineração é proibida na Antártida sob o Protocolo de Madrid, ao qual 50 nações são signatárias. Sendo que essa descoberta não vai levar a uma indústria mineradora de diamantes no continente do sul. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. Novo agregador de links Dorminhoco
    Cadastre e envie seus links
    http://dorminhoco.tudoqg.com/

    Esperamos seu cadastro

    ResponderEliminar