Pode a civilização humana continuar indefinidamente?

Pode a civilização humana continuar indefinidamente?
Os seres humanos têm alterado a Terra tanto que a extinção humana é uma possibilidade real, se as pessoas continuarem no seu caminho atual. 

Mas, se for possível descobrir uma maneira de viver de forma sustentável, pelo menos algumas civilizações humanas podem tornar-se quase imortais, diz um pesquisador.

O desafio é mudar a visão da sociedade para uma que tenha longo prazo e represente o papel central da humanidade na forma de moldar o destino do planeta, em vez de uma que reaja a crises imediatas e pense a curto prazo.

"Para a nossa civilização se tornar um novo tipo de entidade no planeta, precisamos de viver confortavelmente, a longo prazo, com a tecnologia para mudar o mundo", disse David H. Grinspoon, astrobiólogo na Biblioteca do Congresso.

Nem toda a gente concorda que uma perspectiva a longo prazo é possível, ou que vai impedir a morte da Terra. De fato, um astrónomo disse que os humanos estão conectados a viver no mundo do "imediato".

Na maioria dos últimos 4.500 milhões anos, a Terra foi moldada por desastres naturais, como o asteróide que matou os dinossauro, ou por forças biológicas, tais como o aumento das cianobactérias que criaram a atmosfera rica em oxigénio do planeta.

Mas, na época atual, os humanos estão a alterar fundamentalmente o planeta, afirma Grinspoon. "A Terra está a tornar-se irreconhecível relativamente ao planeta que era antes de nos tornarmos uma força geológica", um período que alguns têm chamado de Antropoceno, disse Grinspoon.

A destruição do habitat, o crescimento populacional descontrolado, o aquecimento global e outros desafios da civilização moderna têm colocado a humanidade em risco. O problema é que agora, embora os seres humanos tenham um grande impacto não intencional no planeta, eles não controlam conscientemente esse impacto, disse ele.

Agora, a civilização está numa encruzilhada, afirma Grinspoon: Se outros fenómenos da Terra que alteram o aquecimento global continuarem sem controle, a humanidade poderá morrer. Mas, se o Homo sapiens pode superar esses desafios, as pessoas que poderão construir uma civilização de vida mais longa do que qualquer outra que prosperou no passado. 

A boa notícia, afirma Grinspoon, é que os seres humanos estão agora a tentar moldar o futuro do planeta. Por exemplo, as nações estão conscientes para diminuir o buraco do ozono, estão a trabalhar para reduzir as emissões de carbono e estão a procurar maneiras de evitar os asteróides de bombardear a Terra.

No futuro, as sociedades poderão aprender a modificar o seu ambiente e a prevenir futuras eras glaciais, ou mesmo (num futuro distante) evitar o fim da Terra, quando o sol se transformar em gigante vermelha e engolir o planeta. Para que a humanidade ter qualquer esperança de sobrevivência, no entanto, ela deve aprender a aproveitar a tecnologia de forma inteligente, disse Grinspoon. 

A humanidade também deve mudar da sua perspectiva regional de curto prazo que nega o seu impacto na Terra para uma perspectiva multigeracional e global que aceita conscientemente o seu papel crucial no destino da Terra. [Do Big Bang à Civilização: 10 Surpreendentes Eventos]

Essa perspectiva pode ser perturbadora para muitas pessoas, incluindo cientistas acostumados a ver os seres humanos como manchas inconsequentes na grande história do universo, e ambientalistas, que comparam a humanidade a intrusos criminosos culpados de destruir a Terra, disse Grinspoon. Mas para o cientista os pontos de vista da humanidade são contraproducentes, porque eles fazem os problemas da humanidade parecer intratáveis.

No entanto nem sempre é possível ter uma perspectiva de longo prazo. Por exemplo, Londres estava envolto num miasma de vapores tóxicos de aquecimento doméstico a carvão na década de 1870, e ninguém podia chegar a uma solução. Então, o aquecimento a carvão deu lugar a outras fontes de calor, e o problema resolveu-se a si mesmo. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário