Como a cafeína pode aumentar a sua memória

Como a cafeína pode aumentar a sua memória
A cafeína é conhecida por conferir uma série de benefícios ao cérebro, mas a sua influência sobre a nossa capacidade de armazenar e recuperar informações nunca foi devidamente explorada. 

Um novo estudo corrige essa omissão, mostrando que a cafeína pode ajudar-nos a recordar algumas memórias - e esse efeito dura pelo menos 24 horas.

A cafeína é considerada um estimulador cognitivo em virtude das suas propriedades estimulantes. Embora os efeitos sejam subtis, ela é conhecida por melhorar o humor e o desempenho mental e físico.

Estudos também têm demonstrado que, em conjunto com a L-teanina (um aminoácido comum encontrado no chá verde) a cafeína pode dar um (ligeiro) impulso a memória de trabalho. 

Mas antes deste novo estudo, que foi conduzido por pesquisadores da Universidade Johns Hopkins e da Universidade da Califórnia-Irvine, não se sabia se a cafeína tinha efeito no aumento da memória de longo prazo em seres humanos.

A resposta, ao que parece, é que realmente tem efeito. Assim, para descobrir, os pesquisadores definiram uma experiência em que os voluntários que não comem ou bebem regularmente produtos com cafeína tomaram um comprimido de 200 mg (equivalente a uma xícara de café forte) ou um placebo. 

Os voluntários foram convidados a estudar uma série de imagens - mas, curiosamente, não foram tomados os comprimidos antes, mas cinco minutos depois da sessão de estudo. No dia seguinte, os dois grupos foram testados para ver quanta informação mantiveram. 

O teste, uma tarefa de discriminação comportamental, incluiu imagens do dia anterior, mas também imagens que foram ligeiramente alteradas e algumas novas imagens. Os resultados mostraram que os membros do grupo da cafeína foram capazes de identificar corretamente as imagens como sendo "semelhantes" às imagens vistas anteriormente ao invés de apenas dizendo que eles eram idênticos. 

E esse efeito durou pelo menos 24 horas. Tal capacidade - chamada de separação padrão - permite-nos reconhecer as diferenças entre dois itens semelhantes, mas não idênticos. Os pesquisadores dizem que ela reflete um nível mais profundo de retenção da memória.

"Se usássemos uma tarefa de memória de reconhecimento padrão, sem esses itens semelhantes, não teríamos encontrado qualquer efeito da cafeína", observou o autor Michael Yassa em comunicado. 

"No entanto , o uso desses itens requer que o cérebro faça uma discriminação mais difícil - o que chamamos de separação padrão, que parece ser o processo reforçado pela cafeína no nosso caso", acrescentou. 

É importante notar que as pílulas foram tomadas após a sessão de estudo; pesquisadores anteriores exploraram os efeitos da cafeína sobre a memória de longo prazo faziam os seus participantes tomar cafeína antes, tornando-se difícil para eles determinar se o efeito era realmente um acessório, ou algo impulsionado por outros efeitos da cafeína, como o aumento da atenção, vigilância e foco.

"Nós sempre soubemos que a cafeína tem efeitos de incremento cognitivo, mas os seus efeitos específicos sobre o reforço das memórias, tornando-as resistentes ao esquecimento nunca foi examinado em detalhes em humanos", disse Yassa. 

O próximo passo será determinar os mecanismos cerebrais exatos subjacentes a este fenómeno - insights que poderiam ajudar na investigação em doenças neurodegenerativas como a doença de Alzheimer ou Parkinson. [io9]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário