Novo recorde para o cérebro humano: Tempo mais rápido para ver uma imagem

Novo recorde para o cérebro humano: Tempo mais rápido para ver uma imagem
O cérebro humano pode conseguir o feito notável de processar uma imagem vista em apenas 13 milésimos de segundo, descobriram os cientistas. 

Esta velocidade relâmpago oblitera a velocidade recorde anterior de 100 milissegundos relatados por estudos anteriores.

No estudo, os cientistas mostraram às pessoas uma série de imagens que passavam por entre 13 a 80 milissegundos. Os espectadores identificaram com sucesso coisas como um "piquenique" ou "casal a sorrir", mesmo depois de um breve vislumbre.

"O fato de que você pode fazer isso a estas altas velocidades indica-nos que o a visão faz é encontrar conceitos", diz a líder do estudo, Mary Potter, professora de ciências cognitivas do MIT. "Isso é o que o cérebro está a fazer sempre - a tentar entender o que nós estamos a ver".

Os olhos mudam o seu olhar três vezes por segundo, então a capacidade de processar imagens rapidamente pode ajudar os olhos a encontrar o seu próximo alvo, disse Potter. Quando uma pessoa olha para algo, a retina envia essa informação para o cérebro, que processa a forma, cor e orientação. 

Potter e a sua equipa teve como objetivo aumentar gradualmente a velocidade em que as pessoas pudessem identificar imagens até que eles não fossem mais precisos a adivinhar a imagem. No estudo, os espectadores nunca tinham visto as imagens antes.

Estudos anteriores sugeriram que o cérebro leva pelo menos 50 milissegundos a enviar as informações visuais da retina para o "topo" da cadeia de processamento visual do cérebro e vice-versa em loops que confirmam o que o olho viu, sendo que os pesquisadores esperavam que as pessoas fossem piorar ao ver imagens mostradas por tempo inferior a 50 milissegundos.

Mas a equipa de Potter revelou que, embora o desempenho das pessoas caísse, em média, com a redução do tempo, elas ainda tiveram um melhor desempenho do que o remotamente previsto uma vez que identificaram imagens que apareceram por apenas 13 milésimos de segundo, o limite de velocidade do monitor do computador que eles usaram.

Os resultados, detalhados online a 16 de janeiro na revista Attention, Perception, and Psychophysics, mostram que as pessoas processam as imagens muito mais rapidamente do que os cientistas acreditavam ser possível. 

Uma razão para isso pode ser o efeito de treino, justificando que os participantes do estudo tornaram-se mais rápidos com a prática, e também receberam feedback sobre o seu desempenho, disse Potter.

Os resultados apoiam os de um estudo de macacos em 2001, que descobriu que os animais respondem a tipos específicos de imagens - como rostos - que surgem durante apenas 14 milissegundos.

Estes estudos demonstram que a informação só precisa de fluir numa direcção, a partir da retina para as áreas cerebrais visuais, de modo a identificar os conceitos, sem a necessidade de realimentação a partir de outras áreas do cérebro. 

Esta habilidade pode dar ao cérebro o tempo necessário para decidir para onde apontar os olhos, o que pode levar apenas 100 a 140 milissegundos. Isso também pode explicar porque algumas pessoas relatam um "sexto sentido", quando inconscientemente encontram pistas visuais.

Além disso, mesmo que os telespectadores vissem as imagens para apenas 13 milissegundos, parte do seu cérebro pode ter continuado a processá-las, porque, às vezes, os participantes não foram questionados sobre a imagem até depois de verem uma sequência de imagens.

No futuro, os pesquisadores querem ver quanto tempo o cérebro pode armazenar a informação visual vislumbrada por um curto tempo, e quais as regiões do cérebro que estão ativas quando a pessoa identifica corretamente o que viu. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário