Descoberta água no planeta anão Ceres

Descoberta água no planeta anão Ceres
Os astrónomos descobriram evidências diretas de água no planeta anão Ceres, na forma de plumas de vapor em erupção no espaço, possivelmente oriundas de géiseres de gelo à superfície.

Usando o Observatório Espacial Herschel da Agência Espacial Europeia, os cientistas detectaram vapor de água a escapar de duas regiões em Ceres, um planeta anão que é também o maior asteróide do sistema solar. 

A água é provável que seja erupção de vulcões de gelo ou a sublimação do gelo em nuvens de vapor. A pesquisa tem implicações na forma como Ceres se formou, e suporta os modelos que sugerem que os planetas se moviam muito dentro do sistema solar, durante a sua formação. 

Ceres, um planeta anão ou asteróide gigante (dependendo da definição utilizada), é o maior objeto na cintura de asteróides, orbitando a 2,8 unidades astronómicas. Essa linha divide o sistema solar em objetos secos dentro da cintura de asteróides e objetos gelados, como cometas mais longe.

Mas a descoberta de água na Ceres sugere que essa linha é mais ténue do que se pensava. Os cientistas suspeitavam que existia uma quantidade substancial de água em Ceres há já 30 anos. Um estudo descobriu indícios de água na forma de hidróxido, um produto da dissociação da água, em Ceres, em 1991, mas o achado não foi confirmado por observações posteriores. 

No novo estudo, os pesquisadores usaram a espectrometria do Observatório Espacial Herschel para procurar sinais de água. Nuvens de vapor de água em torno de Ceres absorvem o calor que irradia do planeta anão, tendo sido detectado pelos instrumentos do Herschel. 

A equipe descobriu que Ceres produz cerca de 2×10^26 moléculas, ou 6 kg, de vapor de água por segundo na sua superfície. Uma possível fonte de água é o vulcanismo gelado. "No vulcanismo, o material quente do interior é 'cuspido ' para a superfície", disse Küppers, astrónomo principal da investigação. 

Mas estes vulcões gelados ejetam vapor de água em vez de rocha derretida, acrescentou. Outra possibilidade é que o gelo perto da superfície de Ceres sublime, ou vá directamente de um sólido para um gasoso, arrastando consigo o pó da superfície e expondo mais gelo. Um processo semelhante ocorre em cometas.

A sonda Dawn da NASA, prevista para entrar em órbita em torno de Ceres no início de 2015, poderá responder a algumas perguntas sobre a água em Ceres. Dawn recentemente visitou o asteróide Vesta, um mundo cozido cuja superfície está coberta com erupções vulcânicas.

A detecção de água em Ceres suporta modelos do sistema solar em que planetas gigantes, como Júpiter, migraram para as suas posições atuais, tendo-se formado com material de mistura das regiões externas e internas do sistema solar. As descobertas também sugerem que os asteróides podem ter trazido parte da água dos oceanos da Terra. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário