Astrónomos podem ter descoberto uma nova classe de planetas

Astrónomos podem ter descoberto uma nova classe de planetas
Localizado a cerca de 500 anos-luz de distância, ROXs 42BB é um objeto recém-descoberto que os astrónomos estão a tentar para definir - um corpo celeste único que desafia as noções convencionais sobre como os planetas e as estrelas se formam.

Usando dados de observação dos telescópios em Mauna Kea, Havaí e do WM Keck Observatory, um grupo internacional de astrónomos detetou o objeto numa órbita distante em torno de uma estrela muito jovem, ROXs 42B. 

O planeta ou anã marrom, ou estrela falhada, está localizado 30 vezes mais longe da sua estrela do que Júpiter está do sol. Isso é significativo - cerca de 156 UA (unidades astronómicas). Em comparação, Plutão está a de 32,4 UA do sol.

ROXs 42BB também é enorme - mas não tão grande que possa ser classificado como uma anã marrom convencional. Tem cerca de nove vezes a massa de Júpiter, abaixo do limite que a maioria dos astrónomos usa para distinguir planetas de anãs marrons. 

As anãs marrons são objetos grandes demais para serem considerados planetas, mas demasiado pequenos para provocar reações nucleares internas necessárias para se tornarem estrelas. É por isso que alguns cientistas se referem a elas como "estrelas falhadas". 

Normalmente, as anãs marrons variam em tamanho de cerca de 13 a 80 massas de Júpiter. Mas, com 9 massas de Júpiter, ROXs 42BB é uma anomalia. Esta notícia é uma reminiscência dA descoberta do ano passado de Kappa Andromedae b - o super-Júpiter, que contorna também a linha entre planeta e estrela. 

De um modo semelhante, os astrónomos tiveram recentemente de reclassificar algumas super-Terras como mini-Neptunos. Mas o que é mais desconcertante para os astrénomos é como se formou devido à sua extrema distância da estrela. 

Gigantes gasosos normalmente formam-se através de núcleos de acreção em que os planetas se formam a partir de um núcleo sólido que, em seguida, desenvolve um envelope gasoso maciço. Este processo é mais eficiente quando ocorre mais perto da estrela hospedeira.

Para explicar ROXs 42BB, os astrónomos têm usado a teoria da instabilidade de disco - um processo que funciona melhor mais longe da estrela-mãe em que um fragmento de gás de disco em torno de uma jovem estrela desmorona diretamente sob a sua própria gravidade num planeta.

Entre as duas populações de objetos - aqueles que se formam através de acreção de núcleo e aqueles que se formam via instabilidade de disco - há um grande fosso que separa planetas verdadeiros de outros objetos.

"O novo objeto começa a borrar a distinção entre planetas e anãs marrons, e pode ser necessário preencher essa lacuna", observa Thayne Currie, autor do estudo. É muito provável que os astrónomos tenham de se contentar com uma nova classificação, algo como uma "massa planeta-anã marrom". [io9]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário